Câmara do Porto indignada com atraso no processo de transferência do Infarmed

O presidente da Câmara do Porto defendeu que o processo de transferência está preso por “um conjunto de constrangimentos de ordem administrativa”, o que está a gerar vários atrasos.

O presidente da Câmara Municipal do Porto, Rui Moreira, foi esta terça-feira apresentar a sua indignação com a forma como o processo de transferência do Infarmed de Lisboa para o Porto está a ser feito. Rui Moreira defende que o processo de transferência está preso por “um conjunto de constrangimentos de ordem administrativa”, o que está a gerar vários atrasos, avança o “Jornal de Notícias”.

Durante a manhã, o autarca decidiu, com o apoio da CDU e os votos contra do PS e do PSD, desvincular-se de todas as decisões da Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP), que está a negociar com o Governo o processo de descentralização. O corte com a ANMP não vai ser tão radical como o prometido e o Porto vai manter-se na associação, apesar do seu descontentamento com o acordo.

“O município de Porto não se sente representado pelo Conselho Diretivo da ANMP e, como tal, não se vincula a qualquer decisão que a ANMP tenha tomado ou venha a tomar no futuro em seu nome”, lê-se na moção. No documento, Rui Moreira explica que a ANMP representa “o centrão” e que o que se prevê é “um logro, não é descentralização” e a questão do Infarmed é um “exemplo paradigmático” do acordo de descentralização que está a ser negociado entre a ANMP e o Governo.

Recomendadas

Marcelo aprova aumentos de 700 euros para juízes, mas critica fosso salarial face aos polícias e militares

Marcelo Rebelo de Sousa destaca que os juízes, e membros de autoridades reguladoras e de supervisão a entidades públicas empresariais e empresas públicas, passando por outras entidades administrativas, já estão com salários mais elevados do que o primeiro-ministro. O Presidente exige que a desigualdade salarial seja “encarada na próxima legislatura”.

Incêndios florestais caíram 26% este ano face a 2018

“Estamos, até hoje, com 6.800 incêndios desde o início do ano, o que significa que temos um número de incêndios 36% inferior à média dos últimos dez anos. E uma área ardida 42% inferior à média dos últimos dez anos”, sublinhou Eduardo Cabrita.

Proteção Civil tem reservas de combustível para “mais de dois meses”

Apesar de garantir que existem reservas para mais de dois meses, Eduardo Cabrita sublinha que as prioridades têm de ser asseguradas quando se fala numa dificuldade de distribuição.
Comentários