Capacidade de financiamento da economia foi de 1,4% até março

Segundo os dados do Banco de Portugal a capacidade de financiamento da economia refletiu a poupança financeira das sociedades financeiras e dos particulares, respectivamente de 2,0% e 1,4% do PIB.

De acordo com o Banco de Portugal, no ano acabado no 1º trimestre de 2018, a capacidade de financiamento da economia portuguesa foi de 1,4% do PIB.

Segundo os dados do regulador trabalhados pelo Gabinete de Estudos Económicos do Ministério da Economia, a capacidade de financiamento da economia refletiu a poupança financeira das sociedades financeiras e dos particulares, respectivamente de 2,0% e 1,4% do PIB.

Esta poupança foi mais do que suficiente para satisfazer as necessidades de financiamento das sociedades não financeiras e das administrações públicas, que atingiram, respectivamente, 1,4% e 0,7% do PIB.

Os activos financeiros líquidos dos particulares e das sociedades financeiras apresentaram um aumento homólogo de, respectivamente, 2,0 e 1,4 p.p. do PIB, refletindo, para além da poupança financeira, as variações nos preços dos activos financeiros e dos passivos, segundo as Contas Nacionais Financeiras do Banco de Portugal.

As sociedades não financeiras (empresas) registaram uma redução do valor negativo dos seus activos financeiros líquidos de 1,4 p.p. do PIB, decorrente do aumento do PIB.

As administrações públicas foram o único sector a evidenciar uma redução dos activos financeiros líquidos, os quais diminuíram 6,0 p.p. do PIB face ao período homólogo.

Ler mais
Recomendadas

Como a Indústria 4.0 pode ajudar a criar a fábrica do futuro

A fábrica do futuro é o centro de uma cadeia de distribuição que combina clientes, fornecedores, distribuidores e parceiros com sistemas analíticos avançados. Isso pode levar a uma “produção perfeita” com o mínimo de tempo de inatividade, negligência, desperdício e ineficiência.

Sustentabilidade no investimento: menos risco, mais valor

Reduzir a quantidade de plásticos descartáveis ou viajar de comboio são duas formas de reduzir a nossa pegada ecológica. E no investimento, o que podemos fazer para reforçar a sustentabilidade?
Comentários