Carlos César duvida que CGTP e UGT representem trabalhadores e empresas

A questão “dificulta muito a negociação em Portugal porque nem sempre um acordo entre o Governo e um Sindicato corresponde rigorosamente a um acordo com os respectivos públicos”, disse o líder parlamentar do PS, à Antena 1.

O Presidente e líder parlamentar do PS afirmou duvidar que tanto confederações patronais como centrais sindicais representem realmente quem os elegeu. Em entrevista à Antena 1, Carlos César apontou uma série de problemas na representação de trabalhadores e empresas, dizendo que a situação causa uma limitação da capacidade de negociação no país.

O socialista explicou que ao ouvir representantes de confederações patronais, não tem a certeza de estar a ouvir a opinião dos empresários. “Se compararmos com empresários representativos como aconteceu recentemente, uma coisa não se conjuga com a outra”, disse, à Antena 1.

O mesmo considera em relação aos sindicatos, exemplificando com a Autoeuropa. “Na maior parte dos casos, eles são objeto de tentativa por parte das centrais sindicais na tentativa de os absorver”, defendeu.

O líder parlamentar do PS referiu que isto “dificulta muito a negociação em Portugal porque nem sempre um acordo entre o Governo e um Sindicato corresponde rigorosamente a um acordo com os respectivos públicos”.
Relacionadas

Presidente do PS considera repetível acordo de Governo à esquerda

Carlos César acrescentou que se justifica o otimismo do executivo com o apoio pela esquerda, “pela experiência nesta legislatura” e pelos “resultados obtidos nos últimos dois anos”

PS espera PSD “mais fiel à sua palavra” com Rui Rio

“Espero o que espero do PSD: um partido mais construtivo, mais fiel à sua própria palavra e que entenda a atividade parlamentar como uma atividade nobre”, afirmou Carlos César.

‘Guerra’ no Parlamento. Hugo Soares acusa Carlos César de insultar bancada do PSD

Parlamento falhou hoje, pela terceira vez, a eleição do seu representante para o Conselho Superior de Segurança Interna. Situação gerou ‘guerra’ de palavras no parlamento.
Recomendadas

Marcelo aprova aumentos de 700 euros para juízes, mas critica fosso salarial face aos polícias e militares

Marcelo Rebelo de Sousa destaca que os juízes, e membros de autoridades reguladoras e de supervisão a entidades públicas empresariais e empresas públicas, passando por outras entidades administrativas, já estão com salários mais elevados do que o primeiro-ministro. O Presidente exige que a desigualdade salarial seja “encarada na próxima legislatura”.

Incêndios florestais caíram 26% este ano face a 2018

“Estamos, até hoje, com 6.800 incêndios desde o início do ano, o que significa que temos um número de incêndios 36% inferior à média dos últimos dez anos. E uma área ardida 42% inferior à média dos últimos dez anos”, sublinhou Eduardo Cabrita.

Proteção Civil tem reservas de combustível para “mais de dois meses”

Apesar de garantir que existem reservas para mais de dois meses, Eduardo Cabrita sublinha que as prioridades têm de ser asseguradas quando se fala numa dificuldade de distribuição.
Comentários