Carlos Tavares acumula função de CEO e chairman no Montepio

A notícia foi avançada pelo Eco. A acumulação das duas presidências significa que o Banco de Portugal não aprovou o nome de Nuno Mota Pinto para o lugar de CEO, mantendo-o no entanto na lista onde se prevê venha a desempenhar a função de administrador executivo.

A notícia de que Carlos Tavares vai acumular a função de CEO com a de Chairman foi avançada pelo Eco, e o Jornal Económico confirmou a acumulação temporária das duas funções.

Isto significa que o Banco de Portugal não aprovou o nome de Nuno Mota Pinto para o lugar de CEO, mantendo-o no entanto na lista de órgãos sociais onde se prevê venha a desempenhar a função de administrador executivo. O motivo do supervisor prende-se com a falta de experiência na administração de bancos de retalho. Nuno Mota Pinto foi administrador do Banco Mundial.

O Negócios escreve que Carlos Tavares vai sair da Caixa Geral de Depósitos, onde era assessor da administração, para poder desempenhar as funções no Montepio.

A nova lista de administradores ainda não deu entrada no Banco de Portugal, que por isso não pode ainda concluir o processo de adequação e avaliação (fit & proper).

Tal como o Jornal Económico avançou Carlos Tavares substitui Francisco Fonseca da Silva no lugar de chairman, depois deste ter sido chumbado pelo supervisor por conflito de interesse, devido ao facto de ter uma empresa que tem crédito da Caixa Económica.

A restante lista inicial era ainda composta por Carlos Leiria Pinto, Helena Soares Moura, Pedro Alves, Pedro Ventaneira, José Carlos Mateus e José Rozete.

Não se sabe se esta lista continua, ou se Carlos Tavares impôs alguns elementos da sua escolha.

 

 

Ler mais
Recomendadas

Inovação e empreendedorismo

Há que aplicar as novas tecnologias à cadeia de valor de uma empresa para que esta possa fornecer a melhor resposta ao cliente, conhecendo e focando-se nas necessidades que este tem. Neste ponto as startups representam uma mais-valia.

CGD avalia ações contra gestores que aprovaram crédito a Vale do Lobo

Advogados da CGD estão a avaliar ações cíveis contra gestores da administração de Santos Ferreira que deram ‘luz verde’ a operação Vale do Lobo. Parecer é entregue após o verão para decisão final.

JP Morgan bem posicionado para liderar entrada em bolsa da WeWork

Dona da WeWork vai emitir obrigações até seis mil milhões de dólares e fontes próximas da empresa revelaram que a instituição financeira que montar esta operação poderá ter papel ativo na entrada em bolsa da WeWork.
Comentários