Caso Skripal: PSD é o único partido a exigir a expulsão de diplomatas russos

A contrariar a decisão da Geringonça, o Partido Social Democrata (PSD) pede a saída dos diplomatas e acusa o Governo de estar condicionado pelos parceiros de coligação.

Os partidos de esquerda estão unidos contra a decisão de não avançar com a expulsão dos diplomatas russos de Portugal, em resposta à tentativa de assassinato do ex-espião russo Sergei Skripal no Reino Unido. A contrariar a decisão da Geringonça, o Partido Social Democrata (PSD) pede claramente a saída dos diplomatas e acusa o Governo de estar condicionado pelos parceiros de coligação.

O PSD considera que a posição do Governo, em gerir o caso da Rússia com prudência é “tímida” e está “condicionada” pelos partidos de esquerda. “A única explicação que encontro, num PS que foi sempre atlantista, é de se sentir condicionado pela aliança com o PCP e o BE”, afirmou o líder parlamentar do PSD, Fernando Negrão, notando que estes partidos “estão do lado errado” e historicamente sempre foram contrários à União Europeia (UE).

O líder parlamentar do partido anunciou ainda que vai requerer uma “audição urgente” do ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, para dar esclarecimentos sobre o caso na Assembleia da República. “Queremos crer que o PS, que foi sempre um partido atlantista, regressará à sua posição de partido defensor da União Europeia e da posição euro-atlântica”, afirmou.

O CDS ainda não manifestou a sua opinião em relação ao caso e diz estar a aguardar pelas explicações da tomada de posição do Governo.

Recomendadas

Marcelo aprova aumentos de 700 euros para juízes, mas critica fosso salarial face aos polícias e militares

Marcelo Rebelo de Sousa destaca que os juízes, e membros de autoridades reguladoras e de supervisão a entidades públicas empresariais e empresas públicas, passando por outras entidades administrativas, já estão com salários mais elevados do que o primeiro-ministro. O Presidente exige que a desigualdade salarial seja “encarada na próxima legislatura”.

Incêndios florestais caíram 26% este ano face a 2018

“Estamos, até hoje, com 6.800 incêndios desde o início do ano, o que significa que temos um número de incêndios 36% inferior à média dos últimos dez anos. E uma área ardida 42% inferior à média dos últimos dez anos”, sublinhou Eduardo Cabrita.

Proteção Civil tem reservas de combustível para “mais de dois meses”

Apesar de garantir que existem reservas para mais de dois meses, Eduardo Cabrita sublinha que as prioridades têm de ser asseguradas quando se fala numa dificuldade de distribuição.
Comentários