Catarina Martins quer pacote da precariedade aprovado até ao verão

“Este é, pois, o momento de garantir que as propostas se transformem em proposta de lei apresentada à Assembleia da República nesta sessão legislativa, ou seja, antes do verão, para poderem ser apreciadas e votadas pelo parlamento”, defendeu Catarina Martins.

A coordenadora do BE apontou hoje o final da sessão legislativa como meta para aprovar o pacote de combate à precariedade no parlamento, defendendo que também depende disso o balanço da experiência de apoio ao Governo.

“Este é, pois, o momento de garantir que as propostas se transformem em proposta de lei apresentada à Assembleia da República nesta sessão legislativa, ou seja, antes do verão, para poderem ser apreciadas e votadas pelo parlamento”, defendeu Catarina Martins, no encerramento de um Congresso sobre os 200 anos de Karl Marx, em Lisboa.

Para a coordenadora bloquista, “nenhum balanço da atual experiência política pode secundarizar um aspeto central”: “No fim destes quatro anos, o quadro legal degradado em que os trabalhadores saíram da ‘troika’ estará recuperado, e com ele as condições para a luta e mobilização, ou teremos de novo o quadro em que a direita impõe os recuos e o PS, no Governo, deixa-os consolidaram-se na lei e na sociedade”.

Recomendadas

Marcelo aprova aumentos de 700 euros para juízes, mas critica fosso salarial face aos polícias e militares

Marcelo Rebelo de Sousa destaca que os juízes, e membros de autoridades reguladoras e de supervisão a entidades públicas empresariais e empresas públicas, passando por outras entidades administrativas, já estão com salários mais elevados do que o primeiro-ministro. O Presidente exige que a desigualdade salarial seja “encarada na próxima legislatura”.

Incêndios florestais caíram 26% este ano face a 2018

“Estamos, até hoje, com 6.800 incêndios desde o início do ano, o que significa que temos um número de incêndios 36% inferior à média dos últimos dez anos. E uma área ardida 42% inferior à média dos últimos dez anos”, sublinhou Eduardo Cabrita.

Proteção Civil tem reservas de combustível para “mais de dois meses”

Apesar de garantir que existem reservas para mais de dois meses, Eduardo Cabrita sublinha que as prioridades têm de ser asseguradas quando se fala numa dificuldade de distribuição.
Comentários