Catarina Martins: se o PS tiver maioria absoluta, acordo com o Bloco acaba

Líder do Bloco de Esquerda considera que ida de Mário Centeno para o Eurogrupo não deve ser prioridade, já que o ministro das Finanças ficaria “condicionado”.

A líder do Bloco de Esquerda afirmou hoje que “um partido com maioria absoluta não precisa de mais ninguém”. Em entrevista à Antena 1, Catarina Martins não vê por isso utilidade na continuação da atual solução política, se o PS tiver maioria absoluta, embora não acredite nesse cenário: “Nada a aponta para que o PS tenha maioria”.

Sobre a hipótese de Mário Centeno ir para o Eurogrupo, Catarina Martins considera que não deve ser prioridade, já que o ministro das Finanças português ficaria “condicionado” para fazer uma política diferente da que faz em Portugal. A líder bloquista considera que só “com ingenuidade” se pode pensar que teria margem para fazer diferente.

Sobre a política orçamental, Catarina Martins não aceita que não haja aumento de salários para a Função Pública até ao final da Legislatura, como Centeno afirmou. “Tem de haver”, diz. Questionada sobre qual será o momento desse aumento, responde “agora”.

Recomendadas

Marcelo aprova aumentos de 700 euros para juízes, mas critica fosso salarial face aos polícias e militares

Marcelo Rebelo de Sousa destaca que os juízes, e membros de autoridades reguladoras e de supervisão a entidades públicas empresariais e empresas públicas, passando por outras entidades administrativas, já estão com salários mais elevados do que o primeiro-ministro. O Presidente exige que a desigualdade salarial seja “encarada na próxima legislatura”.

Incêndios florestais caíram 26% este ano face a 2018

“Estamos, até hoje, com 6.800 incêndios desde o início do ano, o que significa que temos um número de incêndios 36% inferior à média dos últimos dez anos. E uma área ardida 42% inferior à média dos últimos dez anos”, sublinhou Eduardo Cabrita.

Proteção Civil tem reservas de combustível para “mais de dois meses”

Apesar de garantir que existem reservas para mais de dois meses, Eduardo Cabrita sublinha que as prioridades têm de ser asseguradas quando se fala numa dificuldade de distribuição.
Comentários