CDS: Cristas encerra congresso com interior e igualdade de género como bandeiras e aponta caminho às europeias

Assunção Cristas encerrou o congresso confiante na capacidade do CDS-PP ser alternativa de governação e fez saber que a lista liderada por Nuno Melo ao Parlamento Europeu integrará também Pedro Mota Soares, Raquel Vaz Pinto e Vasco Weinberg.

A presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, encerrou este domingo o congresso do CDS, onde elegeu a demografia, o território e a inovação como áreas prioritárias de intervenção do partido, bem como a ‘bandeira’ da igualdade género e apontou baterias às eleições para o Parlamento Europeu, em 2019.

No discurso de encerramento do 27.º Congresso do CDS-PP, em Lamego, no distrito de Viseu, uma localização para sinalizar a importância de respostas à interioridade, Assunção Cristas destacou, na área do território, a ideia de um “estatuto fiscal para o interior” e insistiu na criação de “melhores condições regulatórias”.

“O interior da nossa visão não se desenvolve com mais políticos, mais entidades, mais institutos, mais burocracia! O interior desenvolve-se fazendo dele uma zona franca regulatória, o sítio da Europa onde mais facilmente se pode testar uma ideia, o local privilegiado para crescer e fazer crescer”, defendeu.

A líder centrista propôs “um estatuto fiscal de benefício para o interior e uma verdadeira zona franca regulatória para que a inovação possa florescer”.

“Não podemos continuar a ter dois países, um litoral mais rico e um interior extremamente abandonado. Há quem diga que o interior é para passar férias, que não vale votos. Não pensamos assim no CDS. Desde a nossa fundação somos um partido nacional, que preserva e aposta no território e no mundo rural. Sabemos que todos somos Portugal!”, argumentou Assunção Cristas.

O discurso de Assunção Cristas, que com um tom assertivo procurou mostrar o CDS-PP como uma alternativa na governação de Portugal, encontrou na igualdade de género outra bandeira. A líder centrista assumiu defender a paridade na política e nas empresas e disse que deixará de responder a questões sobre a forma como concilia trabalho e família até a mesma pergunta ser colocada aos homens.

“Nesta matéria permitam-me um parêntesis para uma nota mais pessoal: tomei a decisão de não responder mais a questões sobre como concilio trabalho e família, até ao momento em que essa mesma questão seja colocada aos homens que são pais e têm uma vida profissional e pública ativa”, afirmou.

Para a líder do CDS, não é possível “continuar a ter um país em que mais de metade da população são mulheres”, em que 61% do ensino superior é feminino, que está, no entanto, muito longe da paridade na política ou na direção das empresas e instituições”.

“É tempo de mudar e estou convencida que uma parte muito substancial da questão tem precisamente a ver com a compatibilização trabalho/família e o papel dos homens nesta equação”, argumentou.

Ponto fulcral no discurso da sucessora de Paulo Portas na liderança do CDS-PP foi anúncio de mais dois nomes na lista encabeçada por Nuno Melo às eleições europeias de 2019.

A presidente do CDS-PP, fez saber que a lista liderada por Nuno Melo ao Parlamento Europeu integrará também Pedro Mota Soares, antigo ministro da Solidariedade, Trabalho e da Segurança Social entre 2011 e 2015, Raquel Vaz Pinto e Vasco Weinberg.

Ler mais
Relacionadas

Cristas anuncia: “Iremos (mais uma vez) levar a votos o Programa de Estabilidade”

No congresso do CDS-PP, em Lamego, a presidente Assunção Cristas, anunciou, este sábado, que o partido vai, mais uma vez, forçar uma votação no Parlamento do Programa de Estabilidade, para “que fique absolutamente claro que as esquerdas estão bem unidas”.
Recomendadas

Marcelo aprova aumentos de 700 euros para juízes, mas critica fosso salarial face aos polícias e militares

Marcelo Rebelo de Sousa destaca que os juízes, e membros de autoridades reguladoras e de supervisão a entidades públicas empresariais e empresas públicas, passando por outras entidades administrativas, já estão com salários mais elevados do que o primeiro-ministro. O Presidente exige que a desigualdade salarial seja “encarada na próxima legislatura”.

Incêndios florestais caíram 26% este ano face a 2018

“Estamos, até hoje, com 6.800 incêndios desde o início do ano, o que significa que temos um número de incêndios 36% inferior à média dos últimos dez anos. E uma área ardida 42% inferior à média dos últimos dez anos”, sublinhou Eduardo Cabrita.

Proteção Civil tem reservas de combustível para “mais de dois meses”

Apesar de garantir que existem reservas para mais de dois meses, Eduardo Cabrita sublinha que as prioridades têm de ser asseguradas quando se fala numa dificuldade de distribuição.
Comentários