Centeno diz que dívida é sustentável. Mortágua considera posição “irresponsável”

Num debate na Comissão de orçamento e Finanças (COFMA), no âmbito da temática “Avaliação do endividamento público e externo”, Mário Centeno referiu que a sustentabilidade da dívida depende de “um conjunto de melhorias na forma como a economia funciona”, que, diz, “o Governo tem implementado”.

“A dívida portuguesa é sustentável, se for acompanhada de uma política orçamental rigorosa”, garantiu o ministro das Finanças, esta quarta-feira, numa posição que a deputada do Bloco de Esquerda (BE) Mariana Mortágua considerou ser “irresponsável”.

Num debate na Comissão de orçamento e Finanças (COFMA), no âmbito da temática “Avaliação do endividamento público e externo”, Mário Centeno referiu, também, que a sustentabilidade da dívida depende de “um conjunto de melhorias na forma como a economia funciona”, que, diz, “o Governo tem implementado”.

Em resposta, na intervenção que fez, a deputada do BE afirmou que quem defende que “isto é sustentável”, quem “diz que a dívida é sustentável e que os tratados são cumpríveis” é “irresponsável”.

Mariana Mortágua diz que é “factualmente impossível” o cumprimento do rácio, por Portugal, de uma dívida equivalente a 60% do produto interno bruto (PIB).

“Vai haver uma crise nos próximos 20 anos e Portugal vai ser o elo mais fraco”, vaticinou.

Relacionadas

Mourinho Félix: “Emissão correu bem. Taxas continuam a reduzir-se”

O IGCP – Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública colocou 950 milhões de euros num duplo leilão de OT a 10 e 16 anos, a taxas mais baixas que nas emissões comparáveis anteriores.

“A emissão de obrigações panda está numa fase final de execução”, diz Centeno

O Ministério das Finanças foi chamado à COFMA – Comissão de Orçamento e Finanças e Modernização Administrativa, com o objetivo de analisar a sustentabilidade da dívida portuguesa que no final de 2017 estava nos 125,7%.
Recomendadas

Marcelo aprova aumentos de 700 euros para juízes, mas critica fosso salarial face aos polícias e militares

Marcelo Rebelo de Sousa destaca que os juízes, e membros de autoridades reguladoras e de supervisão a entidades públicas empresariais e empresas públicas, passando por outras entidades administrativas, já estão com salários mais elevados do que o primeiro-ministro. O Presidente exige que a desigualdade salarial seja “encarada na próxima legislatura”.

Incêndios florestais caíram 26% este ano face a 2018

“Estamos, até hoje, com 6.800 incêndios desde o início do ano, o que significa que temos um número de incêndios 36% inferior à média dos últimos dez anos. E uma área ardida 42% inferior à média dos últimos dez anos”, sublinhou Eduardo Cabrita.

Proteção Civil tem reservas de combustível para “mais de dois meses”

Apesar de garantir que existem reservas para mais de dois meses, Eduardo Cabrita sublinha que as prioridades têm de ser asseguradas quando se fala numa dificuldade de distribuição.
Comentários