CFP: economia vai crescer 2,2% este ano e défice ficou em 1% em 2017

As contas públicas deverão evoluir de forma mais positiva entre 2018 e 2022 do que tinha sido projetado no último relatório, de acordo com o Conselho das Finanças Públicas.

Teodora Cardoso, presidente do Conselho de Finanças Públicas

O Conselho das Finanças Públicas (CFP) projeta uma continuação do crescimento da economia portuguesa, ainda que em desaceleração, bem como uma evolução das contas públicas mais favorável do que a apresentada em setembro de 2017.

A projecção consta no relatório Finanças Públicas: Situação e Condicionantes 2018-2022 sobre a evolução da economia e das contas públicas para o horizonte de 2018 a 2022 que foi nesta quinta-feira, 15 de março, divulgado pela entidade liderada por Teodora Cardoso.

“Trata-se de uma projeção em políticas invariantes, ou seja que considera apenas as medidas de política económica e orçamental já adotadas e legisladas. Não se trata assim de uma previsão, que teria de antecipar medidas de política ainda não anunciadas”, avança o CFP no relatório.

Em 2017, diz , o crescimento do PIB de 2,7% ficou em linha com o estimado pelo CFP no relatório de setembro passado. Para 2018, o CFP projeta um crescimento de 2,2%, o que fará com que o produto gerado pela economia portuguesa finalmente ultrapasse o nível de 2007.

Já para os anos seguintes, o CFP sinaliza “uma continuação do abrandamento do ritmo de crescimento da economia portuguesa”: 1,9% em 2019 e uma estabilização em torno de 1,7% de 2020 em diante.

O CFP estima que o défice orçamental de 2017 tenha ascendido a 1% do PIB, o que reflete uma “melhoria significativa” face ao objetivo e à estimativa mais recente do Ministério das Finanças, bem como face à projeção do CFP de setembro (1,4% em ambos os casos).

Segundo esta entidade, esta projeção não considera o eventual impacto no saldo orçamental decorrente da recapitalização da Caixa Geral de Depósitos em 2017, nem outros eventuais apoios ao sector financeiro nos anos seguintes.

Para o período 2018-2022, o CFP projecta também uma melhoria contínua na trajetória do saldo orçamental em políticas invariantes: défice de 0,7% do PIB em 2018; défice de 0,3% em 2019 e excedentes a partir de 2020.

Segundo comunicado de imprensa da instituição sobre o relatório Finanças Públicas, a projeção orçamental do CFP assume a manutenção da capacidade de contenção da despesa demonstrada em 2016 e 2017, bem como a continuação de uma estratégia de redução sustentada da dívida pública.

Teodora Cardoso disse em conferência de imprensa que “um défice descer e um Orçamento equilibrado não é austeridade. Pelo contrário, um défice a crescer é austeridade. Pode não ser logo, mas é no ano seguinte ou no outro”.

A economia portuguesa mudou em 2017, disse a presidente do CFP, pois “deixámos de ter o crescimento do consumo privado como o motor da economia, para ter de facto o crescimento das exportações, e que arrastam consigo o investimento de uma maneira que o consumo não o pode fazer”.

(atualizada)

Ler mais

Recomendadas

PSI 20 acompanha Europa em alta. Títulos do Grupo EDP impulsionam praça nacional

O principal índice bolsista português soma 0,46%, para 4.855,54 pontos.

Abrandamento da economia poderá ser entrave para Moody’s igualar as pares na avaliação de Portugal

A Moody’s tem agendada uma avaliação à notação da dívida soberana portuguesa esta sexta-feira. A agência poderá querer alinhar-se com a S&P e a Fitch através de uma subida de um grau para ‘Baa2’, mas as incertezas que estão a esfriar o crescimento da economia global poderão ser motivo para manter o ‘status quo’.

Acalmia cambial trouxe bons resultados em Wall Street

O índice tecnológico S&P, .SPL.RCT, que inclui empresas que têm uma maior exposição ao mercado chinês e estiveram no centro das vendas registadas na segunda-feira, foi aquele que mais valorizou nesta sessão, com um crescimento de 1,61%.
Comentários