CGTP defende criação de ‘simplex’ para combater a precariedade laboral

Arménio Carlos pede ao executivo de António Costa para não se esquecer que foi a “vontade soberana de um povo que levou a luta até ao voto para exigir a rutura com a política de exploração e empobrecimento”.

O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, defendeu este sábado que o Governo deveria criar um programa ‘simplex’ para dar resposta à precariedade nos vínculos laborais. Arménio Carlos acredita ser “fundamental” simplificar o processo de integração nos quadros das empresas, “para dar celeridade ao processo e às expectativas dos trabalhadores”.

“Na administração pública e no setor empresarial do Estado este objetivo só será atingido se for agilizado o processo de regularização dos vínculos laborais”, explicou o líder sindical no final da manifestação deste sábado em Lisboa, citado pelo ‘Jornal de Notícias’.

Arménio Carlos sustenta que “é preciso introduzir o ‘Simplex’ para que, sem demoras inúteis, seja reposta a justiça e a legalidade e se devolva a dignidade e as condições de trabalho que os trabalhadores merecem”.

O secretário-geral da CGTP não esquece, no entanto, a “luta organizada e persistente” que coabitou como os sacrifícios que foram impostos aos portugueses durante o período da troika em Portugal e fez “cair a tese das inevitabilidades e da política de sentido único”.

“Valorizamos, por isso, o que foi feito. Mas, um ano e meio depois, o tempo passa, persistem as desigualdades e a pobreza laboral, as dificuldades da vida dos trabalhadores e das suas famílias foram minimizadas, mas não ultrapassadas”, denunciou.

Recomendadas

Marcelo aprova aumentos de 700 euros para juízes, mas critica fosso salarial face aos polícias e militares

Marcelo Rebelo de Sousa destaca que os juízes, e membros de autoridades reguladoras e de supervisão a entidades públicas empresariais e empresas públicas, passando por outras entidades administrativas, já estão com salários mais elevados do que o primeiro-ministro. O Presidente exige que a desigualdade salarial seja “encarada na próxima legislatura”.

Incêndios florestais caíram 26% este ano face a 2018

“Estamos, até hoje, com 6.800 incêndios desde o início do ano, o que significa que temos um número de incêndios 36% inferior à média dos últimos dez anos. E uma área ardida 42% inferior à média dos últimos dez anos”, sublinhou Eduardo Cabrita.

Proteção Civil tem reservas de combustível para “mais de dois meses”

Apesar de garantir que existem reservas para mais de dois meses, Eduardo Cabrita sublinha que as prioridades têm de ser asseguradas quando se fala numa dificuldade de distribuição.
Comentários