“Chegou a hora de apagar a conta do Facebook”, defende co-fundador do Whatsapp

Desapontado com a rede social após os escândalos conhecidos nos últimos dias (e que envolvem o acesso indevido a informações de utilizadores), o co-fundador do Whatsapp acredita que chegou a hora de apagar a conta no Facebook.

Dado Ruvic/REUTERS

Quatro anos depois de vender o serviço de mensagens instantâneas ao Facebook por 17 mil milhões de euros, o co-fundador do WhatsApp, Brian Action, acredita que, para quem perfil no Facebook, chegou a hora de apagar as contas da rede social.

A declaração foi feita via Twitter, após os escândalos divulgados que envolvem o Facebook. As investigações apontam que, com o objetivo de conquistar votos a favor de Donald Trump nas eleições de 2016, o Facebook terá permitido o acesso indevido a informações de 50 milhões de utilizadores à Cambridge Analytica, empresa norte-americana de análise de dados.

Além da investigação já em aberto da Comissão Federal do Comércio dos EUA, o Parlamento britânico exigiu explicações a Mark Zuckeberg. O presidente do Parlamento Europeu, Antonio Tajani, também convidou o fundador do Facebook a prestar esclarecimentos aos europeus, reforçando que os “dados pessoais não podem ser usados para manipular a democracia”.

Do lado do Facebook, apenas o porta-voz se manifestou ao dizer que tanto Zuckerberg quanto Sheryl Sandberg, responsável pelas operações da empresa, estão a tomar todas as medidas necessárias para reforçar as politicas de protecção das informações da rede social.

As ações do Facebook estão há dois dias em queda na bolsa, o que significa uma desvalorização de 60 mil milhões de dólares (cerca de 49 mil milhões de euros).

Relacionadas

Dias difíceis para Zuckerberg: como perder 7,7 mil milhões em 48 horas

O fundador da Oracle pedeu ontem cinco mil milhões, enquanto o do Facebook perdeu 7,7 mil milhões nos primeiros dois dias da semana.

Cambridge Analytica suspende CEO após confissão de roubo de informações do Facebook

A empresa argumenta que as declarações de Nix “não representam os valores da Cambrigde Analytica e a sua suspensão reflete a seriedade” do tema.

Facebook já perdeu mais de 64 mil milhões de dólares em Wall Street

No acumulado das duas últimas sessões de Wall Street, o Facebook já desvalorizou 12%, perdendo mais de 64 mil milhões de dólares.

“Convidamos Mark Zuckerberg para vir ao Parlamento Europeu”. Bruxelas quer explicações sobre uso de dados

Pedido surge numa altura em que têm saído notícias de que uma empresa com sede no Reino Unido, a Cambridge Analytica, usou indevidamente informação do Facebook para ajudar o candidato republicano Donald Trump a ganhar as presidenciais norte-americanas em 2016.

Zuckerberg poupou milhões ao vender ações do Facebook antes da queda de segunda-feira

As ações do Facebook registaram a maior quebra desde 2015, na segunda-feira, caindo 6,8%, para 172,56 dólares, depois de ter sido noticiado que a empresa de análise política Cambridge Analytica recolheu dados de 50 milhões de utilizadores da rede social, sem o seu consentimento.
Recomendadas

PSI 20 acompanha Europa em alta. Títulos do Grupo EDP impulsionam praça nacional

O principal índice bolsista português soma 0,46%, para 4.855,54 pontos.

Abrandamento da economia poderá ser entrave para Moody’s igualar as pares na avaliação de Portugal

A Moody’s tem agendada uma avaliação à notação da dívida soberana portuguesa esta sexta-feira. A agência poderá querer alinhar-se com a S&P e a Fitch através de uma subida de um grau para ‘Baa2’, mas as incertezas que estão a esfriar o crescimento da economia global poderão ser motivo para manter o ‘status quo’.

Acalmia cambial trouxe bons resultados em Wall Street

O índice tecnológico S&P, .SPL.RCT, que inclui empresas que têm uma maior exposição ao mercado chinês e estiveram no centro das vendas registadas na segunda-feira, foi aquele que mais valorizou nesta sessão, com um crescimento de 1,61%.
Comentários