China penalizada com taxas de Trump: país “amigo” vai pagar 60 mil milhões de dólares

A administração norte-americana decidiu hoje avançar com a imposição de tarifas suplementares à importação de produtos da China, como painéis fotovoltaicos ou máquinas de lavar, uma medida que pode vale cerca de 49 mil milhões de euros.

Donald Trump decidiu hoje avançar com um novo episódio nas guerras das tarifas comerciais às importações de produtos chineses por parte dos Estados Unidos.

Este agravamento de tarifas à importação de determinados produtos chineses pode chegar a um valor de cerca de 60 mil milhões de dólares (cerca de 48,7 mil milhões de euros ao câmbio atual)

No entanto, a equipa de Trump assegura que encara a China como um país “amigo”.

Este é mais um episódio a acentuar a política de protecionismo adoptada pela atual administração norte-americana na Casa Branca.

A administração norte-americana decidiu hoje avançar com a imposição de tarifas suplementares à importação de produtos da China, como painéis fotovoltaicos ou máquinas de lavar.

A decisão foi tomada após umas investigação conduzida pela Comissão do Comércio Internacional dos Estados Unidos, uma agência federal que tem como objetivo a proteção comercial norte-americana.

A referida comissão concluiu que que a importação massiva dos produtos em causa estava “a prejudicar seriamente a indústria nacional”.

“As ações do Presidente [ao impor tarifas às importações da China] deixam, claro, mais uma vez, que o Governo Trump sempre irá defender os trabalhadores norte-americanos”, afirmou hoje Robert Lighthizer, Representante de Comércio dos Estados Unidos (USTR), na mesma conferência de imprensa em que foi anunciada uma ‘pausa’ por tempo indeterminado na aplicação de tarifas suplementares à importação de aço e de alumínio a diversos países aliados, desde a União Europeia, Brasil, Argentina, Coreia do Sul e Austrália, por exemplo.

As tarifas sobre os painéis solares e máquinas de lavar produzidas na china terão validade por um período que se pode prolongar pelos próximos quatro anos.

Para as máquinas de lavar vindas da China para os Estados Unidos, está previsto um agravamento das tarifas de 20% a 50%, para os próximos três anos.

No que respeita aos painéis fotovoltaicos, o agravamento das tarifas por parte da administração norte-americana pode prolongar-se pelos próximos quatro anos, com um aumento de 30% no primeiro ano, que pode descer até 15% no último ano.

 

Ler mais
Relacionadas

Aço e alumínio: Trump deixa União Europeia fora das tarifas

Imposição das tarifas referentes à importação de aço e alumínio vai isentar Europa, Austrália, Coreia do Sul, Argentina e Brasil, realçou hoje o representante norte-americano para o Comércio.

Só o Canadá e o México vão ficar livres das “tarifas que ameaçam o comércio”, diz relatório

Previsões apontam que as novas tarifas sugeridas pelos Estados Unidos sobre as importações de aço e alumínio podem conduzir a uma guerra comercial global.

União Europeia espera ficar isenta de taxas norte-americanas sobre aço e alumínio

A comissária europeia para o Comércio, Cecilia Malmstrom, disse hoje esperar que a União Europeia (UE) “no seu todo” integre a lista de países e regiões que ficarão isentas das taxas alfandegárias sobre o alumínio e aço.

Guerra comercial passou de risco baixo para proeminente, diz presidente da Fed

Na primeira conferência de imprensa à frente da Reserva Federal, Jerome Powell afirmou que os membros do comité do banco central expressaram que a imposição de tarifas às importações tornou-se numa fonte de preocupação para os líderes empresariais.
Recomendadas

“Que Deus abençoe a memória daqueles em Toledo”. Trump engana-se no nome da cidade do massacre no Ohio

O presidente norte-americano referiu-se referiu a Toledo, e não a Dayton, nas suas observações sobre um dos recentes massacres onde morreram nove pessoas e outras 27 ficaram feridas.

A “Casa de Papel” na vida real: Assalto à Casa da Moeda do México leva dos cofres 50 milhões em menos de 4 minutos

Os assaltantes conseguiram desarmar um guarda e furar todas as barreiras de segurança até chegarem ao cofre de segurança, que estaria aberto. Em menos de quatro minutos, o grupo de homens roubou e fugiu do edifício sem que a polícia tivesse sequer chegado.

Japão testa drones que transportam pessoas para diminuir o trânsito

Os responsáveis pelo projeto apontam que os drones tripulados poderão ser uma solução para combater o trânsito: “O Japão é um país com uma densidade populacional muito elevada, e como tal, carros voadores poderão ser a solução para diminuir o trânsito no país”.
Comentários