Chuva dos últimos dias gera recorde na produção de eletricidade

“Com a chuva dos últimos dias” a produção hidráulica alcançou um novo máximo com 5.689 MW, 142 MW acima do anterior máximo de 15 de fevereiro de 2016, avança a REN.

A produção de eletricidade bateu o recorde esta quarta-feira, com as barragens a atingirem um novo máximo histórico devido à chuva dos últimos dias, anunciou hoje em comunicado a REN – Redes Energéticas Nacionais.

Segundo a empresa gestora da rede elétrica, registou-se um novo máximo histórico na produção nacional de eletricidade, de 12.043 megawatts (MW) na quarta-feira, superior em 555 MW ao anterior valor máximo, datado de 18 de fevereiro de 2016.

Também na quarta-feira, “com a chuva dos últimos dias” a produção hidráulica alcançou um novo máximo com 5.689 MW, 142 MW acima do anterior máximo de 15 de fevereiro de 2016, avança a REN, referindo que a potência instalada atualmente é de 7.193 MW.

No mesmo dia, o consumo nacional atingiu 8.417 MW e o sistema exportava cerca de 3.600 MW. O máximo histórico do consumo nacional é de 9.403 MW registado em 2010.

A empresa liderada por Rodrigo Costa refere ainda que no dia 26 de fevereiro a exportação de energia elétrica ultrapassou pela primeira vez os 4.000 MW. O novo máximo agora fixado, 4.042 MW, é superior em 400 MW ao anterior, verificado em 02 de janeiro de 2017.

A rede de Transportes também bateu o recorde na quarta-feira com 9.240 MW, 100 MW acima do anterior máximo de 18 de fevereiro de 2016.

Ler mais
Recomendadas

Como a Indústria 4.0 pode ajudar a criar a fábrica do futuro

A fábrica do futuro é o centro de uma cadeia de distribuição que combina clientes, fornecedores, distribuidores e parceiros com sistemas analíticos avançados. Isso pode levar a uma “produção perfeita” com o mínimo de tempo de inatividade, negligência, desperdício e ineficiência.

Sustentabilidade no investimento: menos risco, mais valor

Reduzir a quantidade de plásticos descartáveis ou viajar de comboio são duas formas de reduzir a nossa pegada ecológica. E no investimento, o que podemos fazer para reforçar a sustentabilidade?
Comentários