CMEC: Governo acredita fechar contas até outubro

Valor a pagar pelos próximos dez anos será apurado pela ERSE e Jorge Sanches reiterou a confiança no regulador, dizendo esperar que “o regulador faça o seu trabalho”.

O Governo espera fechar as contas sobre os Custos para Manutenção do Equilíbrio Contratual (CMEC) até meados de outubro, após analisar o estudo que está a ser produzido pela Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE).

A informação foi divulgada pelo secretário de Estado da Energia, que disse acreditar que o montante do ajustamento final dos CMEC será apurado a tempo de ser considerado nas tarifas de eletricidade para 2018, isto é 15 de outubro.

“O prazo normal deve andar por aí”, disse Jorge Seguro Sanches, acrescentando não estar a “ver que possa ser depois disso”, questionado pelos jornalistas à margem de uma sessão de apresentação do BP Statistical Review of World Energy 2017, citado pela Lusa.

O valor a pagar pelos próximos dez anos será apurado pela ERSE  e Jorge Sanches reiterou a confiança no regulador, dizendo esperar que “o regulador faça o seu trabalho”.

“O objetivo do Governo é que os preços da energia sejam, o mais possível, reduzidos em Portugal”, frisou e que “este ano já tivemos um resultado que vai no sentido correto, com o aumento mais baixo dos últimos dez anos”.

O ajustamento anual dos CMEC será apurado com base no cruzamento dos valores de mercado produções e os custos de produção, entre outras variáveis e verificados entre 01 de julho de 2007 e 30 de junho de 2017. Estes dados, segundo a ERSE, não estarão disponíveis antes de 2017.

Recorde-se que, a 14 de julho, o parlamento recomendou ao Governo o fim dos CMEC, após votação da proposta do Bloco de Esquerda e aprovada por todos os partidos com assento parlamentar, exceptando o PSD.

Os CMEC estão a ser investigados no âmbito de um inquérito do DCIAP, aberto na sequência de uma denúncia anónima em 2012, a alegados crimes de corrupção ativa e passiva e participação económica em negócios na área da energia. Até agora fez sete arguidos, incluindo o presidente desta eléctrica, António Mexia, bem como o ex-presidente da REN, Rui Cartaxo.

A compensação relativa à cessação antecipada de CAE (aplicada a dezenas de barragens e à central a carvão em Sines, entre outras centrais) entrou em vigor em 2007, numa versão revista face aos termos iniciais e numa altura em que com a liberalização da electricidade as novas centrais a serem feitas correriam os riscos de mercado e já não teriam CAE.

 

Ler mais
Relacionadas

CMEC renderam ao Estado 3,6 mil milhões de euros

Segundo dados a que o Jornal de Negócios teve acesso, o valor é referente a transações entre 1997 e 2013.

Bruxelas rejeita estudo da REN que serviu de base à queixa contra a EDP

Comissão Europeia divulgou documento em que explica a rejeição das denúncias de que a EDP teria recebido ajudas ilegais do Estado.

Suspeitas de corrupção na energia envolvem três governos

O Ministério Público tem identificados vários suspeitos de corrupção passiva, incluindo ex-governantes e funcionários públicos entre 2004 e 2007, apurou o Jornal Económico.

Parlamento aprova recomendação do Bloco para eliminação dos CMEC

Bloco de Esquerda salienta que os CMEC “tendo representado 2500 milhões de euros a cargo dos consumidores de eletricidade ao longo dos últimos 10 anos”, acrescentando que este ano “pesarão 300 milhões de euros na fatura elétrica”.

Caso EDP/REN: Um guia para perceber os CMEC

O caso das alegadas “rendas” da EDP não é fácil de entender. Leia aqui o que está em causa.
Recomendadas

Indústria Alimentar: o caminho da digitalização

No contexto da Indústria Alimentar, as organizações para se adaptarem necessitam de investir, e, atualmente, as tecnologias digitais chave passam pela: Robótica, Serviços móveis, Tecnologia Cloud, Internet-of-Things, Cibersegurança, Big Data e Analítica avançada, Impressão 3D, Inteligência Artificial e Social Media. Os consumidores, também eles cada vez mais nativos digitais, ditam tendências e as indústrias adaptam-se, quer […]

Japão testa drones que transportam pessoas para diminuir o trânsito

Os responsáveis pelo projeto apontam que os drones tripulados poderão ser uma solução para combater o trânsito: “O Japão é um país com uma densidade populacional muito elevada, e como tal, carros voadores poderão ser a solução para diminuir o trânsito no país”.

Procrastinação ou a coragem de mudar

É preciso saber e decidir sem vacilar. Caso contrário, faremos parte das fotos guardadas no baú. Para mais tarde recordar.
Comentários