CMEC renderam ao Estado 3,6 mil milhões de euros

Segundo dados a que o Jornal de Negócios teve acesso, o valor é referente a transações entre 1997 e 2013.

Cristina Bernardo

Os contratos de aquisição de energia (CAE) / custos de manutenção de equilíbrio contratual (CMEC), com a EDP, renderam ao Estado 3,6 mil milhões de euros, entre 1997 e 2013, segundo noticia o Jornal de Negócios.

O total diz respeito a avaliações aos contratos para definir o valor de mercado da EDP em ofertas públicas de venda (OPV) e vendas diretas de capital da empresa, de acordo com o jornal. A venda da elétrica a privados deu ao Estado 9,7 mil milhões de euros, dos quais 37% são referentes a contratos de energia.

As vendas aconteceram em seis fases diferentes e tendo em conta os CAE e posteriormente os CMEC. Em 1997, o peso dos contratos para a venda de capital da EDP foi de 48%, enquanto em 2012 o valor foi de 14%, segundo dados a que o Jornal de Negócios teve acesso.

Relacionadas

Bruxelas rejeita estudo da REN que serviu de base à queixa contra a EDP

Comissão Europeia divulgou documento em que explica a rejeição das denúncias de que a EDP teria recebido ajudas ilegais do Estado.

Parlamento aprova recomendação do Bloco para eliminação dos CMEC

Bloco de Esquerda salienta que os CMEC “tendo representado 2500 milhões de euros a cargo dos consumidores de eletricidade ao longo dos últimos 10 anos”, acrescentando que este ano “pesarão 300 milhões de euros na fatura elétrica”.

Caso EDP/REN: Um guia para perceber os CMEC

O caso das alegadas “rendas” da EDP não é fácil de entender. Leia aqui o que está em causa.
Recomendadas

Combustíveis: Regulador vai fiscalizar aumentos durante a greve de motoristas

A ENSE considera que uma vez decretada a crise energética devido à greve dos camionistas de matérias perigosas, tal implica a implementação de condições excecionais para abastecimento dos postos de combustível em território nacional.

Efacec reforça presença na Tunísia com obras em 25 subestações elétricas

Este conjunto de subestações integra a Rede de Transporte de Energia Elétrica Tunisina e resulta no âmbito do contrato assinado com a STEG – Société Tunisienne de l’Electricité et du Gaz.

Preço do petróleo terá de baixar para competir com tecnologias do futuro

“A nossa análise leva a uma conclusão muito dura para a indústria do petróleo. Para o mesmo desembolso de capital hoje, a energia eólica e solar produzirão energia mais útil para os veículos elétricos do que o petróleo comprado no mercado”, sublinhou Mark Lewis, chefe do gabinete de investigação sustentável do BNP Paribas.
Comentários