Coentros & Garam Masala: Hino à cozinha indiana caseira e à cultura gujarati

Muito mais do que um livro de receitas, Coentros & Garam Masala é um hino à cozinha indiana caseira e à cultura gujarati, escrito por duas mulheres: Bina Achoca e Rita Ávila Cachado.

O livro reúne cerca de 50 receitas, todas elas profusamente ilustradas, que dão ao leitor, caso queira, a possibilidade de se deixar aculturar. No fundo, trata-se de uma viagem em que nenhum dos cinco sentidos do ser humano é deixado para trás. Os sabores, os cheiros e as cores vibrantes da Índia dominam as 150 páginas que compõem a obra. Estão lá o amarelo, o açafrão e o gengibre, o vermelho e a pimenta, o marrom dourado e o anis… e muito, muito mais.

Com raízes na antiga colónia portuguesa de Diu, na Índia, Bina Achoca, nascida em 1975 em Maputo, Moçambique, em Portugal desde os seus 18 anos, é a artífice. Cozinha desde sempre e tem um vasto conhecimento gastronómico prático.

Diz quem as conhece que as suas chamuças são as melhores de Lisboa. Rita, licenciada em Antropologia pela Faculdade de Ciências Humanas, da Universidade Nova de Lisboa, tem a preocupação de juntar, reunir, transmitir o conhecimento por via escrita, para que não se perca na memória do tempo. Duas amigas, muitas tardes de conversa no bairro Quinta da Vitória, em Lisboa, onde Bina morava, e assim nasceu este livro, que reúne receitas para todos os gostos, vegetarianos e não vegetarianos. O leque de opções dado pelas autoras cobre o ano inteiro, das mais quentes e picantes às mais frescas e suaves.

As receitas apresentadas em Coentros & Garam Masala seguem alguns passos essenciais que facilitam a preparação por leigos em cozinha indiana. Estão descritas de forma a podermos organizar os ingredientes em uma ou duas tigelas antes de começarmos a cozinhar e apresenta-se também o conjunto de temperos que se podem preparar antes de iniciar a confeção da refeição.

A cozinha gujarati revelada por Bina Achoca e Rita Ávila Cachado não pretende ser tradicional no sentido de “estas é que são as verdadeiras receitas”. Antes pelo contrário. É uma cozinha influenciada por produtos europeus. E aí reside uma das inovações deste livro, dado que cada receita é única, apesar do património que representa.

“Despretensioso, genuíno, cativa pela simplicidade e verdade”, nas palavras da jornalista Clara de Sousa, que assina o prefácio. Este livro tem a chancela da Marcador, do grupo Editorial Presença, e está disponível nas livrarias. Nas nossas casas, a leitura pode ser acompanhada por uma chávena de chá, costume ancestral dessa incrível Índia para onde onde nos leva este belíssimo Coentros & Garam Masala.

Ler mais
Recomendadas

Carocha: Afinal, o carro do povo não morreu

Ao fim de oito décadas, o veículo que atravessou diversos momentos históricos chegou ao fim de uma longa estrada. O Carocha foi um símbolo do renascimento económico da Alemanha do pós-guerra e foi um sucesso de vendas nos Estados Unidos. Em Portugal, o espírito continua bem vivo: além de um hino, são vários os clubes e os colecionadores que guardam relgiosamente um modelo que pode valer mais de 100 mil euros.

Ângelo Girão: o comendador que mete medo aos avançados

Meses depois de ser campeão europeu de clubes pelo Sporting, realizou o sonho de tornar Portugal campeão mundial. O fim do jejum que durava desde 2003 deveu-se em grande parte ao guarda-redes de 29 anos que provou, uma vez mais, que não existe ninguém melhor a evitar que os sticks levem a bola para dentro da baliza. Os argentinos, espanhóis e italianos podem confirmá-lo.

Assembleia da República: Maioria absoluta masculina, acima dos 50 e recém-chegada

A XIII Legislatura, que está quase a terminar, não fica só marcada pela “geringonça”. Ao longo dos últimos quatro anos os portugueses foram representados por um Parlamento tão envelhecido quanto inexperiente no desempenho de funções. Aqui está a radiografia dos nossos deputados.
Comentários