Comey: “Houve ingerência russa nas eleições norte-americanas”

O antigo diretor do FBI diz que ficou confuso com a decisão do presidente norte-americano, Donald Trump, de o demitir, tendo em conta que várias vezes elogiou o seu trabalho e que nunca lhe foi pedido que abandonasse a investigação ao ciberataque nas presidenciais.

Jonathan Ernst/Reuters

O antigo diretor da polícia federal norte-americana (FIB), James Comey, ouvido esta quinta-feira no Senado, garante não ter dúvidas de que houve ingerência russa nas eleições presidenciais norte-americanas de 8 de novembro. James Comey diz que ficou confuso com a decisão do presidente norte-americano, Donald Trump, de o demitir, tendo em conta que várias vezes elogiou o seu trabalho e que nunca lhe foi pedido que abandonasse a investigação ao ciberataque.

“O presidente repetidamente me dizia que estava a fazer um ótimo trabalho”, conta James Comey. “As explicações que [Donald Trump] deu à imprensa, de que tinha sido demitido na sequência da investigação à ligação entre a Rússia e os ataque cibernéricos durante as eleições, confundiram-me cada vez mais. Então eu entendi que poderia ser demitido por qualquer motivo ou sem nenhum”.

“[A Administração Trump] escolheu difamar-me e, mais importante, ao FBI”, acusa James Comey. “São mentiras, pura e simplesmente”.

James Comey confessa que estava preocupado de que Donald Trump pudesse mentir sobre o trabalho que estava a desenvolver e que “para proteger a integridade do FBI”, decidiu documentar o conteúdo das reuniões que teve com o presidente.

O ex-diretor diz que “foi uma honra poder ter estado à frente do FIB” e lembra que “a missão da polícia federal vai continuar a ser cumprida. “O FBI é uma organização honesta, forte e sempre será independente”.

Esta quarta-feira, Donald Trump nomeou Christopher Wray para substituir James Comey. A decisão vai ser agora comunicada ao Senado para votação.

Ler mais
Relacionadas

Aí está o ‘Trumpeachment’: Congressista norte-americano pede destituição do presidente

Al Green pediu, na Câmara dos Representantes dos EUA, a destituição do presidente Donald Trump. No seu discurso, o congressista disse que a democracia dos EUA “está em risco” e apelou à assinatura de uma petição online.

‘Trumpeachment’

Choca-me que num mundo ocidental altamente privilegiado em relação a outras geografias se ande a tomar a democracia como garantida.

Comey afirma que Trump o pressionou para anunciar que não estava a ser investigado

Donald Trump vai ser acusado de pressão, perante o Senado, pelo ex-diretor do FBI James Comey, por querer que este admita, em público, que o presidente norte-americano não estava a ser investigado.
Recomendadas

“Que Deus abençoe a memória daqueles em Toledo”. Trump engana-se no nome da cidade do massacre no Ohio

O presidente norte-americano referiu-se referiu a Toledo, e não a Dayton, nas suas observações sobre um dos recentes massacres onde morreram nove pessoas e outras 27 ficaram feridas.

A “Casa de Papel” na vida real: Assalto à Casa da Moeda do México leva dos cofres 50 milhões em menos de 4 minutos

Os assaltantes conseguiram desarmar um guarda e furar todas as barreiras de segurança até chegarem ao cofre de segurança, que estaria aberto. Em menos de quatro minutos, o grupo de homens roubou e fugiu do edifício sem que a polícia tivesse sequer chegado.

Japão testa drones que transportam pessoas para diminuir o trânsito

Os responsáveis pelo projeto apontam que os drones tripulados poderão ser uma solução para combater o trânsito: “O Japão é um país com uma densidade populacional muito elevada, e como tal, carros voadores poderão ser a solução para diminuir o trânsito no país”.
Comentários