Como sobreviver à greve dos motoristas de combustível? Siga estas 5 dicas

Consulte o manual de sobrevivência elaborado pela Deco para a greve dos motoristas dos combustíveis.

Está convocada para 12 de agosto uma nova greve dos motoristas, por tempo indeterminado. Apesar de o Governo estar a tentar mediar um acordo entre sindicatos e patrões, o pré-aviso mantém-se, por enquanto.

Caso a paralisação avance, o abastecimento de combustíveis será afetado. Mas as consequências não acabam por aí. O fornecimento de produtos às grandes superfícies (nomeadamente supermercados), serviços e indústria também pode falhar, segundo o Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias (uma das entidades que convocou a greve).

O ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, avisou os portugueses que devem estar preparados: “todos podíamos começar a precaver-nos, em vez de esperarmos pelo dia 12 [de agosto]”, afirmou o ministro a 24 de julho.

A Deco elaborou assim um manual de sobrevivência com cinco dicas para ajudar os consumidores a estarem prevenidos para a anunciada greve.

1. Abastecer o carro uns dias antes

Ateste o carro dois ou três dias antes do início da greve. Utilize-o apenas para as deslocações indispensáveis e procure fazer uma condução eficiente, para gastar menos combustível.

Planeie as viagens mais longas com recurso a um GPS (dedicado ou app) ou um calculador de rotas na internet. Assim, poderá prever o gasto de combustível.

Durante a paralisação, se for declarada uma crise energética, todos os postos de abastecimento são obrigados a afixar em local bem visível a lista de postos de emergência onde poderá encontrar combustível. A lista também estará acessível no site da Entidade Nacional para o Setor Energético (ENSE).

2. Regras para os jerricãs

Pelas limitações legais e, sobretudo, por ser perigoso, desaconselhamos os consumidores a recorrerem aos jerricãs para enfrentar a crise dos combustíveis.

É proibido, devido ao risco de libertação de vapores e inflamação, armazenar nas arrecadações dos prédios combustíveis líquidos, tais como gasolina. Caso detete um forte cheiro a combustível, deve contactar as autoridades policiais, uma vez que o risco de incêndio é real. Quem não respeitar as regras pode ser punido com coima de 275 euros a 2.750 euros, no caso de pessoa singular, ou até 27.500 euros, no caso de pessoa coletiva, sem prejuízo de responsabilidade civil e criminal. Além disso, em caso de incumprimento das normas de segurança contra incêndio, a seguradora pode recusar qualquer pagamento.

Também há limites para transportar jerricãs num carro particular: o máximo são 60 litros por recipiente. Quem não respeitar as regras incorre numa coima entre 750 e 2.250 euros. No caso das pessoas coletivas, a coima varia entre 1.500 e 4.500 euros.

Os jerricãs para transportar combustível devem ser homologados para essa finalidade. Não podem ser usados outros recipientes.

3. Transportes públicos, carpooling, bicicletas e trotinetes

Dê preferência às deslocações feitas através dos transportes públicos. É pouco provável que sejam afetados, pois a proposta de serviços mínimos dos sindicatos que convocaram a greve inclui o abastecimento destes serviços. Se precisar de informações adicionais, acompanhe a atualizações dos serviços nos sites das respetivas empresas, como CP, Rede Expressos, Metro de Lisboa e Metro do Porto.

Há apps de peões vocacionadas também para quem anda de transportes públicos. Indicam os transportes mais adequados para cada destino, trajetos, tempos, etc.

Outra alternativa é partilhar viagens através de carpooling. Há várias plataformas online de partilha de boleias, que põem em contacto condutores e passageiros que pretendem viajar para o mesmo destino e, assim, dividir as despesas. É o caso do BlaBlaCar, Via Verde Boleias e Boleia.net.

Carros e scooters elétricas partilhadas, como DriveNow, Emov e Ecoltra, são mais uma opção. Outra são os meios de transporte alternativos, como bicicletas e trotinetes, que também funcionam em sistema de partilha (por exemplo, Gira, Jump e Li.Me). Na nossa comunidade sobre mobilidade encontra dicas de vários consumidores que já usam estas soluções.

4. Trabalho e saúde

Se não está de férias durante o período da greve, e se a sua atividade pode ser desempenhada à distância, tente negociar com a entidade patronal a possibilidade de trabalhar em casa. A empresa não é obrigada a aceitar como justificadas as faltas ao trabalho devido a greve. Daí a importância de negociar antecipadamente a possibilidade de trabalhar a partir de casa. Em alternativa, pode tentar tirar alguns dias de férias ou compensar as horas daquele(s) dia(s) de ausência noutras datas.

Na área da saúde, os serviços mínimos garantem as deslocações dos casos de urgência. Para outras situações, por exemplo, consultas já marcadas, pode tentar remarcar para outra data. Se estiver a tomar alguma medicação cuja embalagem esteja a terminar perto da data da greve, garanta uma embalagem a mais do medicamento.

5. Despensa e frigorífico

Para evitar deslocações extra, vá ao supermercado antes da greve. Aposte em produtos com uma duração mais alargada, para evitar o desperdício de alimentos. Se comprar produtos frescos, como verduras e fruta, deve consumi-los em primeiro lugar, para não se estragarem. É ainda possível comprar carne e legumes em quantidades acima do habitual, para congelar. Veja as nossas dicas para arrumar deixar o frigorífico em ordem.

 

Ler mais
Relacionadas

Combustíveis: Regulador vai fiscalizar aumentos durante a greve de motoristas

A ENSE considera que uma vez decretada a crise energética devido à greve dos camionistas de matérias perigosas, tal implica a implementação de condições excecionais para abastecimento dos postos de combustível em território nacional.

Motoristas respondem a Marcelo: “Antes de chegar a estes meios, foram tentados outros”

Pedro Pardal Henriques, vice-presidente do SNMMP, disse ainda que os motoristas não concordaram com a providência cautelar apresentada por cinco empresas de transporte.

Marcelo diz que revisão da lei da greve “não está na ordem do dia” e “não é uma prioridade”

“Não vi nenhum partido propor a alteração da lei da greve e, portanto, terminou a legislatura, não está na ordem do dia, ninguém propôs essa revisão, não sei se algum partido incluirá no programa eleitoral [para as legislativas de 06 de outubro] a revisão da lei da greve”, disse Marcelo Rebelo de Sousa.

“Os meios começam a comprometer os fins”. Portugueses podem ficar contra os motoristas, avisa Marcelo

O Presidente da República abordou a greve dos motoristas de 12 de agosto, referindo que “é sempre uma pena quando havendo boas razões a defender, essas razões são perdidas ou comprometidas por causa do excesso de meios utilizados”.

Greve de motoristas: Cinco empresas põem providência cautelar a pedir ilegalidade da greve

O advogado não quis identificar as empresas que metem a ação, referindo apenas que são de diferentes dimensões, sendo três empresas de matérias perigosas (combustíveis, explosivos e gás e outras matérias perigosas) e duas empresas de carga geral (uma que atua sobretudo no setor da distribuição e outra em contentores e atividade portuária).

Sindicato de motoristas: “Desconvocar uma greve com uma mão cheia de nada é impensável”

O Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) veio a público rejeitar desconvocar a greve dos motoristas marcada para 12 de agosto. “Desconvocar uma greve com uma mão cheia de nada é impensável”, disse o vice-presidente do SNMMP esta terça-feira, 6 de agosto, à TSF. “É sempre possível [desconvocar a greve], mas não da […]
Recomendadas

Especialistas defendem aprovação da requisição civil pelo Governo antes da greve dos motoristas

Por o setor dos combustíveis ser transversal a muitos setores económicos, especialista em legislação laboral defendem que o Governo pode avançar para a requisição civil antes da greve, tal como aconteceu na TAP em 2014.

Greve dos camionistas: AIP apela aos “bens superiores” da Constituição para travar a paralisação

A associação presidida por José Eduardo Carvalho alerta o Governo para que os serviços mínimos para minorar os efeitos desta paralisação abranjam as indústrias transformadoras que fiquem condicionadas pela falta de abastecimento de combustíveis como o gás natural, gás propano liquefeito (GPL), azoto líquido e oxigénio.

Combustíveis: Regulador vai fiscalizar aumentos durante a greve de motoristas

A ENSE considera que uma vez decretada a crise energética devido à greve dos camionistas de matérias perigosas, tal implica a implementação de condições excecionais para abastecimento dos postos de combustível em território nacional.
Comentários