Confiança dos consumidores aumenta para máximos de 12 anos

O indicador de confiança dos consumidores “aumentou ligeiramente” em outubro e atingiu o valor mais elevado em 12 anos, divulgou hoje o Instituto Nacional de Estatísticas (INE). Segundo o INE, o indicador de confiança dos consumidores (calculado através de inquéritos a particulares) atingiu o valor mais elevado desde maio de 2002 (menos 24,0 pontos, que […]

O indicador de confiança dos consumidores “aumentou ligeiramente” em outubro e atingiu o valor mais elevado em 12 anos, divulgou hoje o Instituto Nacional de Estatísticas (INE).

Segundo o INE, o indicador de confiança dos consumidores (calculado através de inquéritos a particulares) atingiu o valor mais elevado desde maio de 2002 (menos 24,0 pontos, que compara com os menos 24,6 pontos de setembro), prolongando a tendência ascendente observada desde o início de 2013.

A recuperação deste indicador deve-se, de acordo com o INE, “ao contributo positivo das expetativas sobre a evolução da situação financeira do agregado familiar e da situação económica do país e, em menor grau, das perspetivas de evolução das poupanças”.

As expetativas relativas à evolução do desemprego, por sua vez, contribuíram negativamente.

Já indicador de clima económico (calculado através de inquéritos a empresas de vários setores de atividade) estabilizou em outubro pelo segundo mês consecutivo nos 0,7 pontos, o valor máximo desde julho de 2008.

Em outubro, o indicador de confiança aumentou na indústria transformadora, na construção e obras públicas e no comércio e diminuiu nos serviços.

OJE/Lusa

Ler mais
Recomendadas

Como a Indústria 4.0 pode ajudar a criar a fábrica do futuro

A fábrica do futuro é o centro de uma cadeia de distribuição que combina clientes, fornecedores, distribuidores e parceiros com sistemas analíticos avançados. Isso pode levar a uma “produção perfeita” com o mínimo de tempo de inatividade, negligência, desperdício e ineficiência.

Sustentabilidade no investimento: menos risco, mais valor

Reduzir a quantidade de plásticos descartáveis ou viajar de comboio são duas formas de reduzir a nossa pegada ecológica. E no investimento, o que podemos fazer para reforçar a sustentabilidade?