Contas externas positivas mas sempre são menos 90 milhões

As contas externas de Portugal atingiram um saldo de 2.044,6 milhões de euros até agosto, menos quase 90 milhões do que no ano passado, divulgou o Banco de Portugal (BdP). De acordo com o boletim estatístico hoje divulgado pelo BdP, as contas externas portuguesas registaram um saldo de 2.044,6 milhões de euros até agosto, menos […]

As contas externas de Portugal atingiram um saldo de 2.044,6 milhões de euros até agosto, menos quase 90 milhões do que no ano passado, divulgou o Banco de Portugal (BdP).

De acordo com o boletim estatístico hoje divulgado pelo BdP, as contas externas portuguesas registaram um saldo de 2.044,6 milhões de euros até agosto, menos 89,1 milhões do que o registado no período homólogo: 2.133,7 milhões de euros.

Até agosto deste ano, a balança corrente registou um saldo positivo de 344,1 milhões de euros, quando nos primeiros oito meses de 2013 apresentou um saldo positivo superior, de 483,2 milhões de euros.

Os dados hoje divulgados pelo banco central incluem já alterações metodológicas internacionais, decorrentes do novo Sistema Europeu de Contas (SEC2010) e do novo Manual da Balança de Pagamentos e da Posição de Investimento Internacional (BPM6).

O Banco de Portugal divulgou hoje as novas séries estatísticas incluindo estas alterações metodológicas, atualizado os dados referentes não só à balança de pagamentos (pelo menos até 1996), mas também à dívida pública e ao endividamento do setor não financeiro, entre outros.

Ainda segundo o anterior Sistema Europeu de Contas (SEC1995), as contas externas portuguesas registaram um saldo de 667 milhões de euros até julho, inferior em quase 3,5 vezes ao registado no período homólogo: 2.301 milhões de euros.

 

OJE/Lusa

Ler mais
Recomendadas

Como a Indústria 4.0 pode ajudar a criar a fábrica do futuro

A fábrica do futuro é o centro de uma cadeia de distribuição que combina clientes, fornecedores, distribuidores e parceiros com sistemas analíticos avançados. Isso pode levar a uma “produção perfeita” com o mínimo de tempo de inatividade, negligência, desperdício e ineficiência.

Sustentabilidade no investimento: menos risco, mais valor

Reduzir a quantidade de plásticos descartáveis ou viajar de comboio são duas formas de reduzir a nossa pegada ecológica. E no investimento, o que podemos fazer para reforçar a sustentabilidade?