PSI 20 segue em queda, contrariando tendência das principais praças europeias

Galp Energia, Altri, F.Ramada, Sonae SGPS, Sonae Capital e Sonaecom estão esta segunda-feira a negociar sob ex-dividendo, condicionando a evolução do índice.

Benoit Tessier / Reuters
A bolsa portuguesa está a negociar em baixa, em contraciclo com as principais congéneres europeias. O principal índice bolsista nacional, PSI 20, tomba 0,49%, para 5.582,90 pontos, sobretudo porque seis das cotadas que integram o índice estão a negociar em ex-dividendo.
Galp Energia, Altri, F.Ramada, Sonae SGPS, Sonae Capital e Sonaecom estão esta segunda-feira a negociar sob ex-dividendo. Os títulos da Pharol lideram as perdas, ao desvalorizarem 0,94%, para 0,26 euros.

A Galp Energia estará “condicionada pela fraqueza da cotação do crude”, segundo o “Diário da Bolsa” do BPI, e segue a cair 0,16%, para 15,82 euros.

Movimentos no sentido de retirar os cortes de produção estão a fazer baixar os preços do petróleo. De acordo com uma nota de análise do Millenium Investment Bank, a OPEP (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) “e os seus aliados, incuindo Rússia, concluíram que o mercado petrolífero está agora rebalanceado, tendo sido eliminado o excesso de oferta”.

Na abertura do mercado europeu, o petróleo corrigia perto de 2%  e “fontes próximas do caso indicam que os inventários já se encontram em níveis abaixo da média dos últimos 5 anos nas economias desenvolvidas”.

Por ora, o Brent negoceia a 75,50 dólares por barril, desvalorizando 1,27%. Já o WTI cai 1,62%, para 66,78 dólares.

Os títulos da REN (-0,41%, para 2,41 euros), Jerónimo Martins (-0,82%, para13,87 euros) e BCP (-0,19%, para 0,26 euros) também pesam na evolução do PSI 20.

A negociar no verde seguem F. Ramada (3,92%, para10,06 euros), Sonaecom (2,11%, para 0,96 euros), Altri (2,57%, para 7,57 euros), Navigator (1,49%, para5,44 euros) e Sonae SGPS (1,12%, para 1,08 euros).

Entre as principais praças europeias, o cenário é positivo. O alemão DAX soma 0,17%, o francês CAC 40 ganha 0,19%, o holandês AEX cresce 0,08% e o espanhol IBEX ganha 0,40%. Já o italiano FTSE MIB perde 0,36%.

O recuo de Giuseppe Conte em formar governo em Itália, colocando o país na rota de uma crise política, está a condicionar a praça italiana. Este fim de semana, depois do Presidente da República italiano, Sergio Mattarella, ter vetado a escolha do ministro das Finanças, Giuseppe Conte desistiu de formar Governo.

O mercado alemão parece estar a aguentar as alegadas investigações sobre manipulações de emissões de gases poluentes da Daimler. As autoridades alemãs estarão a investigar um potencial software malicioso instalado em 120 mil motores a diesel para manipularo controlo das emissões de gases, à semelhança do escândalo que afetou a Vokswagen. O jornal alemão “Bild”, sem identificar fontes, noticiou que o software terá sido instalado nos Mercedes C-Class sedan e nas carrinhas Vito. Os motores em causa (OM622 e OM626) são fornecidos pela Renault.

Esta segunda-feira, o mercado norte-americano está encerrado devido ao feriado do ‘Memorial Day’. Ainda assim os EUA têm influência sob a Europa: através de um tweet do presidente norte-americano, que confirmou ter uma delegação na Coreia do Norte a trabalhar na cimeira, deixando sinais que o evento irá mesmo acontecer, acalma receios dos investidores demontrados ao longo da última semana.

No mercado cambial, o euro valoriza 0,13% face ao dólar, para 1,16 dólares.

[Dados das 9h55]

Ler mais

Relacionadas

Bolsa de Lisboa começa semana a cair

O PSI20 abriu a cair 0,21% para 5.598,80 pontos.

Após Conte não ter contado, presidente italiano olha para Cottarelli para PM

“Fui informado dos pedidos de algumas forças políticas para irem fechar eleições. É uma decisão que me reservo depois de avaliar o que vai acontecer no Parlamento “, explicou Sérgio Mattarrella. Esta segunda-feira o presidente deverá convidar o economista Carlo Cottarelli para liderar um ‘governo técnico’.
Recomendadas

PSI 20 acompanha Europa em alta. Títulos do Grupo EDP impulsionam praça nacional

O principal índice bolsista português soma 0,46%, para 4.855,54 pontos.

Abrandamento da economia poderá ser entrave para Moody’s igualar as pares na avaliação de Portugal

A Moody’s tem agendada uma avaliação à notação da dívida soberana portuguesa esta sexta-feira. A agência poderá querer alinhar-se com a S&P e a Fitch através de uma subida de um grau para ‘Baa2’, mas as incertezas que estão a esfriar o crescimento da economia global poderão ser motivo para manter o ‘status quo’.

Acalmia cambial trouxe bons resultados em Wall Street

O índice tecnológico S&P, .SPL.RCT, que inclui empresas que têm uma maior exposição ao mercado chinês e estiveram no centro das vendas registadas na segunda-feira, foi aquele que mais valorizou nesta sessão, com um crescimento de 1,61%.
Comentários