Corretores da Europa, Médio Oriente e África discutem em Lisboa oportunidades no setor segurador

Entre os participantes, oriundos de 28 países, estão executivos globais da Brokerslink e líderes dos corretores de seguros parceiros e afiliados, bem como responsáveis de parceiros estratégicos como a Allianz, Chubb e Zuich.

A capital portuguesa recebeu mais de 70 responsáveis do setor segurador e da corretagem, para discutir o futuro do setor, no âmbito do encontro anual da região da Europa, Médio Oriente e África da Brokerslink, empresa global de corretagem de seguros participada pela multinacional portuguesa MDS.

Os principais temas na agenda deste encontro, incluem o impacto do novo regulamento europeu na distribuição de seguros, as tendências digitais no setor, o impacto da Brexit nos programas de seguros em termos de livre prestação de serviços e as mais recentes ferramentas e ofertas desenvolvidas pela Brokerslink em áreas como “employee benefits” e risco cibernético.

Considerando que a indústria seguradora se encontra num “grande processo de transformação que terá impacto em todos os players do setor, bem como nos clientes”, Jacqueline Legrand, CEO da Brokerslink e administradora do Grupo MDS, não deixa de realçar o entusiasmo com que a empresa encara “este novo mundo de desafios e oportunidades”. “Este encontro anual que se realiza em Lisboa, irá permitir a partilha de experiências e visões por forma a continuar a inovar e liderar as tendências de mercado”, conclui.

 

Recomendadas

Inovação e empreendedorismo

Há que aplicar as novas tecnologias à cadeia de valor de uma empresa para que esta possa fornecer a melhor resposta ao cliente, conhecendo e focando-se nas necessidades que este tem. Neste ponto as startups representam uma mais-valia.

CGD avalia ações contra gestores que aprovaram crédito a Vale do Lobo

Advogados da CGD estão a avaliar ações cíveis contra gestores da administração de Santos Ferreira que deram ‘luz verde’ a operação Vale do Lobo. Parecer é entregue após o verão para decisão final.

JP Morgan bem posicionado para liderar entrada em bolsa da WeWork

Dona da WeWork vai emitir obrigações até seis mil milhões de dólares e fontes próximas da empresa revelaram que a instituição financeira que montar esta operação poderá ter papel ativo na entrada em bolsa da WeWork.
Comentários