Costa admite que “crescimento é poucochinho” em programa de TV humorístico

O primeiro-Ministro admitiu que o crescimento económico ficou abaixo das expectativas, no programa Governo Sombra da TVI24.

O primeiro-ministro admitiu ontem no programa humorístico “Governo Sombra” que o “crescimento é poucochinho”, referindo-se ao crescimento do PIB no programa humorístico da TVI24.

“Não é preciso ser Natal [para admitir]. É evidente que todos gostávamos de crescer mais. Não gostava? Eu gostava. É poucochinho, claro que é, como é evidente, claro que queríamos mais“, admitiu reconhecendo assim que as previsões do executivo ficaram aquém do esperado, tal como tem vindo a defender a oposição PSD/CDS-PP.

António Costa respondia ao desafio lançado por João Miguel Tavares de admitir que o crescimento económico era baixo e ficava abaixo das expectativas.  O primeiro-ministro afirmou ainda que, “se olhar para o contexto global [desemprego, aumento de rendimentos], os dados são positivos”.

“Quanto à dívida pública, para o ano, quando me convidar, já engole essa (…) para o ano já vai ser menor“, assegurou.

Já em resposta anterior ao humorista Ricardo Araújo Pereira sobre a sustentabilidade da dívida, António Costa disse que “era preciso não matar o devedor”, referindo-se aos credores europeus e à sua posição perante Portugal.

Sobre a geringonça, João Miguel Tavares disse que as posições conjuntas assinadas entre PS, BE, PCP e PEV são “como aqueles casamentos modernos, em que cada um vive na sua casa e só se juntam nas ocasiões felizes”  e António Costa explicou que “ao contrário do habitual, é mais original, mas funciona”, acrescentando: “E quem sabe se durará mais que outros casamentos“.

O Governo Sombra tem como moderador Carlos Vaz Marques, e como participantes Pedro Mexia, João Miguel Tavares e Ricardo Araújo Pereira.

Ler mais
Recomendadas

Marcelo aprova aumentos de 700 euros para juízes, mas critica fosso salarial face aos polícias e militares

Marcelo Rebelo de Sousa destaca que os juízes, e membros de autoridades reguladoras e de supervisão a entidades públicas empresariais e empresas públicas, passando por outras entidades administrativas, já estão com salários mais elevados do que o primeiro-ministro. O Presidente exige que a desigualdade salarial seja “encarada na próxima legislatura”.

Incêndios florestais caíram 26% este ano face a 2018

“Estamos, até hoje, com 6.800 incêndios desde o início do ano, o que significa que temos um número de incêndios 36% inferior à média dos últimos dez anos. E uma área ardida 42% inferior à média dos últimos dez anos”, sublinhou Eduardo Cabrita.

Proteção Civil tem reservas de combustível para “mais de dois meses”

Apesar de garantir que existem reservas para mais de dois meses, Eduardo Cabrita sublinha que as prioridades têm de ser asseguradas quando se fala numa dificuldade de distribuição.
Comentários