Costa encomenda avaliação de popularidade depois dos incêndios

Preocupado com o efeito que as polémicas decorrentes da tragédia de Pedrógão Grande possam ter tido na sua imagem, o primeiro-ministro terá requerido uma avaliação de popularidade pós-incêndios.

REUTERS/Adriano Machado

O primeiro-ministro pediu a um focus group para medir o impacto da tragédia dos fogos em Pedrógão Grande na sua popularidade, avança o jornal i.

António Costa pediu a um ‘focus group’ que medisse o impacto que o incêndio em Pedrógão, que destruiu a casa e a vida de 64 pessoas, teve na sua popularidade e do seu executivo, avança o jornal i na edição de hoje.

Preocupado com o efeito que as polémicas decorrentes da tragédia pudessem ter tido na sua imagem, o primeiro-ministro pede uma avaliação de popularidade pós-incêndios.

O resultado da análise encomendada pelo governo concluiu que a popularidade do governo não foi penalizada, algo que não se previa depois da maré de críticas de que Costa a Constança Urbano de Sousa, ministra da Administração Interna, foram alvo ontem no Parlamento.

A líder do CDS, Assunção Cristas, impôs-se como a mais dura nas interpelações feitas durante o debate. “A pergunta política que é preciso fazer é: como foi possível acontecer esta tragédia? O primeiro-ministro tem que ter responsabilidade. Não há ninguém no governo que ponha ordem na casa? A confiança está destruída e continuará destruída”, disse.

No entanto, “os portugueses estão a compreender a posição do primeiro-ministro e não o culpam pelas falhas do Estado”, escreve o jornal, baseado nas conclusões do ‘focus group’ que a popularidade de Costa e respectivo executivo ainda não foi afetada.

Ler mais
Relacionadas

“Estes incêndios vieram para ficar”, alerta especialista em fogos florestais

Consultor especialista em organismos do Estado na área dos Riscos naturais e dos incêndios florestais, Emanuel de Oliveira avisa que a homogeneização dos combustíveis, aliada às alterações climáticas e subida das temperaturas, aumenta o risco de incêndios como o de Pedrógão Grande, que são típicos de países como os EUA, Canadá ou Austrália.

Constança Urbano de Sousa chora no parlamento: “Foi o momento mais difícil da minha vida”

A ministra da Administração Interna emocionou-se hoje no parlamento ao recordar o incêndio de Pedrógão Grande.

Pedrógão Grande: Costa admite indemnizar famílias das vítimas

Primeiro-ministro disse hoje que, se se provar que houve responsabilidade do Estado na tragédia de Pedrógão Grande, será utilizado “um esquema expedito” de indemnização às vítimas que as dispense dos processos normais judiciais.

“Maior tragédia em Portugal” é também maior fogo em 10 anos na Europa

Dados do Sistema Europeu de Informação de Incêndios Florestais (EFFIS), consultados pela TSF, mostram que o incêndio no Pinhal Interior, em Pedrógão Grande, queimou cerca de 46.020 hectares.

“Foi um milagre”: Como um pequeno oásis verde sobreviveu aos incêndios de Pedrógão

“Encontrámos tudo arrasado, excepto um pequeno oásis verde”. É assim que Liedewij Schieving, uma holandesa de 50 anos que se apaixonou por Portugal há dez anos, conta como a Quinta da Fonte sobreviveu a um dos piores incêndios do país. O turismo rural, nos arredores de Figueiró dos Vinhos, é hoje o único verde que resta, numa paisagem de montanhas negras. “Um milagre”, diz a holandesa ao El País.

“Houve falhas no SIRESP”: Bombeiros de Pedrógão Grande não têm dúvidas

Comandante dos Bombeiros Voluntários de Pedrógão Grande garantiu à agência Lusa que “houve falhas” no Sistema Integrado de Redes de Emergência e Segurança de Portugal (SIRESP).
Recomendadas

Marcelo aprova aumentos de 700 euros para juízes, mas critica fosso salarial face aos polícias e militares

Marcelo Rebelo de Sousa destaca que os juízes, e membros de autoridades reguladoras e de supervisão a entidades públicas empresariais e empresas públicas, passando por outras entidades administrativas, já estão com salários mais elevados do que o primeiro-ministro. O Presidente exige que a desigualdade salarial seja “encarada na próxima legislatura”.

Incêndios florestais caíram 26% este ano face a 2018

“Estamos, até hoje, com 6.800 incêndios desde o início do ano, o que significa que temos um número de incêndios 36% inferior à média dos últimos dez anos. E uma área ardida 42% inferior à média dos últimos dez anos”, sublinhou Eduardo Cabrita.

Proteção Civil tem reservas de combustível para “mais de dois meses”

Apesar de garantir que existem reservas para mais de dois meses, Eduardo Cabrita sublinha que as prioridades têm de ser asseguradas quando se fala numa dificuldade de distribuição.
Comentários