Crédito aos consumidores aumenta 20% em janeiro para 563 milhões de euros

A maior parte dos empréstimos aos consumidores, em janeiro, foi para aquisição de automóvel, no total de 228,770 milhões de euros, mais 25% face a janeiro de 2017.

Os bancos concederam 563,357 milhões de euros de crédito aos consumidores em janeiro deste ano, mais 20,4% do que no mesmo mês de 2017, com o crédito para compra de carro a destacar-se ao subir 25%.

Estes dados foram hoje divulgados pelo Banco de Portugal e indicam ainda que o crédito aos consumidores, apesar do aumento homólogo, cedeu 6,3% quando comparado com o montante total emprestado em dezembro de 2017.

A maior parte dos empréstimos aos consumidores, em janeiro, foi para aquisição de automóvel, no total de 228,770 milhões de euros, mais 25% face a janeiro de 2017 e menos 13,3% face ao mês anterior.

Já em crédito pessoal foram concedidos, no total, 242,623 milhões de euros no primeiro mês deste ano.

Destes, em empréstimos ‘sem finalidade específica, lar’ foram emprestados 237,540 milhões, mais 21% face a janeiro de 2017, mas menos 1,6% face a dezembro.

Para a finalidade ‘Educação, Saúde, Energias Renováveis e Locação Financeira de Equipamentos’ foram 5,083 milhões de euros, neste caso mais 38,4% do que um ano antes e mais 7,9% do que em dezembro.

Por fim, em ‘cartões de crédito, linhas de crédito, contas correntes bancárias e facilidades de descoberto’ foram concedidos 91,964 milhões de euros, mais 8,9% face a janeiro de 2017 e 0,6% face a dezembro.

Ler mais
Recomendadas

Como a Indústria 4.0 pode ajudar a criar a fábrica do futuro

A fábrica do futuro é o centro de uma cadeia de distribuição que combina clientes, fornecedores, distribuidores e parceiros com sistemas analíticos avançados. Isso pode levar a uma “produção perfeita” com o mínimo de tempo de inatividade, negligência, desperdício e ineficiência.

Sustentabilidade no investimento: menos risco, mais valor

Reduzir a quantidade de plásticos descartáveis ou viajar de comboio são duas formas de reduzir a nossa pegada ecológica. E no investimento, o que podemos fazer para reforçar a sustentabilidade?
Comentários