CTT e papeleiras impulsionam ganhos da bolsa nacional numa Europa em queda

O principal índice nacional, PSI 20, valoriza 0,45% para 5.633,68 pontos. Os CTT são a estrela desta sessão, ao ganharem quase 3%.

Reuters

A meio da sessão desta quarta-feira, dia 25 de julho, a bolsa portuguesa está a negociar com sentimento positivo, contrariando as perdas das congéneres europeias. O principal índice nacional, PSI 20, valoriza 0,45% para 5.633,68 pontos, impulsionado pelas quedas dos CTT e papeleiras.

Os CTT são a estrela desta sessão, ao ganharem 2,81% para 3,072 euros. A cotada está a ser beneficiada depois de o banco CTT ter anunciado a compra da empresa de crédito ao consumo 321 Crédito por 100 milhões de euros. A operação de aquisição da 321 Crédito à Firmus Investimentos, controlada pela Cabot Square Capital e pela Eurofin, deverá ocorrer no primeiro trimestre de 2019. Em comunicado divulgado à Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), os CTT anunciaram esperar que o desenvolvimento do banco seja acelerado pelo negócio.

A seguir a tendência estão as papeleiras. A Navigator soma 2,24% para 5,065 euros, após ter apresentado resultados trimestrais relativos ao segundo trimestre do ano. O lucro líquido da empresa disparou 24,3%, em termos homólogos para 66,2 milhões de euros, beneficiando das subidas dos preços da pasta e papel. No mesmo setor, a Semapa sobe 2,68% para 21,050 euros e a Altri avança 1,47% para 8,950 euros.

Nas retalhistas, a Sonae ganha 0,88% para 0,976 euros e a Jerónimo Martins aprecia 0,19% para 13,245 euros. No setor da energia, a EDP valoriza 0,38% para 3,441 euros, a EDP Renováveis soma 0,62% para 8,930 euros e a REN avança 0,24% para 2,476 euros.

No verde, negoceiam ainda a Mota-Engil (1,22%), a Pharol (0,21%) e a Sonae Capital (0,11%).

Em contraciclo, a Galp Energia perde 0,21% para 17,015 euros e o BCP desvaloriza 0,41% para 0,266 euros. A perder estão ainda a NOS (-0,73%), a F. Ramada (-0,98%) e a Ibersol (-1,93%).

Nas restantes bolsas europeias, o índice alemão DAX perde 0,60%, o francês CAC 40 desvaloriza 0,10%, o espanhol IBEX 35 deprecia 0,36%, o italiano FTSE MIB recua 0,70%, o holandês AEX cai 0,27% e o britânico FTSE 100 resvala 0,80%.

É uma “sessão negativa para a maioria das praças europeias, com índice nacional a figurar nas exceções. O dia é bastante preenchido com contas empresariais, entre as quais destacamos as da LVMH e que trazem otimismo ao setor de retalho de luxo. A Ageas subia perto de 5% em resposta aos rumores de que a Fosun estará a planear apresentar uma proposta de compra”, afirma Ramiro Loureiro, analista do Mtrader, do Millennium BCP. “O encontro entre Trump e Juncker está igualmente no radar do mercado e que pode ditar fortes movimentos no setor automóvel”, acrescenta.

A cotação do barril de Brent, que serve de referência para a Europa, soma 0,66% para 73,94 dólares, enquanto a do crude WTI perde ligeiramente 0,03%, para 68,50 dólares por barril.

No mercado cambial, o euro ganha ligeiramente 0,05% para 1,169 dólares e a libra aprecia 0,10%, para 1,315 euros.

Ler mais

Recomendadas

PSI 20 acompanha Europa em alta. Títulos do Grupo EDP impulsionam praça nacional

O principal índice bolsista português soma 0,46%, para 4.855,54 pontos.

Abrandamento da economia poderá ser entrave para Moody’s igualar as pares na avaliação de Portugal

A Moody’s tem agendada uma avaliação à notação da dívida soberana portuguesa esta sexta-feira. A agência poderá querer alinhar-se com a S&P e a Fitch através de uma subida de um grau para ‘Baa2’, mas as incertezas que estão a esfriar o crescimento da economia global poderão ser motivo para manter o ‘status quo’.

Acalmia cambial trouxe bons resultados em Wall Street

O índice tecnológico S&P, .SPL.RCT, que inclui empresas que têm uma maior exposição ao mercado chinês e estiveram no centro das vendas registadas na segunda-feira, foi aquele que mais valorizou nesta sessão, com um crescimento de 1,61%.
Comentários