Crescimento dos custos de construção de habitação desacelerou para 1,4% em janeiro

Com esta evolução, os custos de construção de habitação nova encontram-se ao nível mais elevado desde o início da série, em janeiro de 2000.

 

O ritmo de crescimento homólogo dos custos de construção de habitação nova desacelerou 0,3 pontos percentuais em janeiro, face ao verificado em dezembro de 2017, para 1,4%, de acordo com o Índice de Custo de Construção de Habitação Nova divulgado esta quarta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

Com esta evolução, os custos de construção de habitação nova encontram-se ao nível mais elevado desde o início da série, em janeiro de 2000.

Segundo os dados do INE, “a desaceleração homóloga dos custos de construção” deveu-se a uma redução no preço dos materiais de construção.

A taxa de variação dos Materiais diminui 0,7 pontos percentuais, fixando-se em 0,4% no mês de janeiro.

Já o índice referente ao custo de Mão de Obra subiu 0,1 pontos percentuais, para 2,2%.

Sobre os índices para Apartamentos e Moradias, os dados do INE revelam que, em janeiro deste ano, os índices fixaram-se em 1,4% e 1,5%, respetivamente.

Sobre o Índice de Preços de Manutenção e Reparação Regular da Habitação aumentou 1,2% (1,1% em dezembro de 2017).

Ler mais
Relacionadas

Custo de manter e reparar a casa sobe ligeiramente em novembro

O Instituto Nacional de Estatística publicou esta segunda-feira o Índice de Custos de Construção de Habitação Nova e Índice de Preços de Manutenção e Reparação Regular da Habitação de novembro.

Imobiliário: Em 2018 os preços das casas devem continuar a subir

Como grandes tendências para 2018, o vice-presidente da APPII destaca, o surgimento de um novo conceito de espaços e de partilha de serviços e que já vêm ganhando vários adeptos um pouco por toda a Europa e até já em Portugal (conceitos de young professionals, de coworking e mesmo até de co-living, ou projetos que combinam student hotels com student housing).

Construir casa nova ficou mais caro em outubro

Só no Alentejo é que não foi registado um aumento nos preços da manutenção e reparação regular da habitação. Já a taxa de variação homóloga mais elevada foi registada na Área Metropolitana de Lisboa.

Imobiliário: Febre da reabilitação tem riscos

O rejuvenescimento dos centros urbanos portugueses é visto como positivo, mas não faltam vozes críticas às intervenções que estão a ser feitas, sobretudo ao nível da prevenção sísmica e da fiscalização.
Recomendadas

Como a Indústria 4.0 pode ajudar a criar a fábrica do futuro

A fábrica do futuro é o centro de uma cadeia de distribuição que combina clientes, fornecedores, distribuidores e parceiros com sistemas analíticos avançados. Isso pode levar a uma “produção perfeita” com o mínimo de tempo de inatividade, negligência, desperdício e ineficiência.

Sustentabilidade no investimento: menos risco, mais valor

Reduzir a quantidade de plásticos descartáveis ou viajar de comboio são duas formas de reduzir a nossa pegada ecológica. E no investimento, o que podemos fazer para reforçar a sustentabilidade?
Comentários