Da corrupção e seus avisos

Não cometo o erro de confundir perceção com realidade, para mais numa zona de atividade humana que será de combate eterno. Mas, no caso concreto da corrupção, impõe-se uma luta feroz. O regime não pode deixar de reconhecer que já recebeu todos os necessários sinais de alarme

O problema da corrupção em Portugal continua a ser grave e ainda esta semana tivemos notícias disso, apesar de no índice de 2017 de Perceção de Corrupção, elaborado pela Transparência Internacional, o nosso País aparecer num ‘aceitável’ lugar 29, entre 180.

Começo por uma noticia da revista “Sábado”. Em 1.725 reportes judiciais recebidos em 2017 pelo Conselho de Prevenção da Corrupção, ficaram provados 405 crimes cometidos por funcionários públicos. Pelo mesmo relatório, que serve de base à notícia, ficamos a saber que 41% dos fatores de risco estão ligados à Administração Central – com destaque para as forças e serviços de segurança, entidades da Saúde, Educação, Registos e do Notariado e da Justiça.

A este respeito, lembro-me sempre de uma entrevista de Joana Marques Vidal, em 2015, na qual a já Procuradora-Geral da República (PGR) admitia a existência de uma rede que utilizava o aparelho do Estado e outro tipo de aparelhos da Administração Pública “para realizar atos ilícitos”, alguns na área da “corrupção”, apontando as áreas da Saúde e da contratação pública como as mais expostas a este tipo de crime. Já então a PGR sabia bem do que falava. Os processos em curso contra políticos e banqueiros provam-no à evidência. Talvez por isso Joana Marques Vidal seja tão mal estimada nos corredores do Poder.

Este problema da corrupção é como o dos fogos: tem várias frentes de combate. E esta semana, em entrevista ao “Público”, a investigadora Conceição Pequito, ao falar da organização dos partidos e da qualidade da Democracia portuguesa, apontava outra (frente de combate): o funcionamento dos partidos, a sua cartelização, a colonização do Estado que promovem, o tráfico de influências por tudo isso gerado e o caso concreto do deputado-advogado. Cito: “Temos um Parlamento cujas leis, as mais importantes, são feitas fora do próprio Parlamento, encomendadas por ajuste directo a grandes escritórios de advogados, nos quais trabalham advogados que são deputados. Então, quem faz as leis fora do Parlamento, o que já é uma aberração, vem aprová-las dentro do Parlamento”.

Não cometo o erro de confundir perceção com realidade, ainda para mais numa zona de atividade humana que será de combate eterno. Mas, no caso concreto da corrupção, Portugal merecia um Pacto de Regime, um combate feroz, muito para além da Comissão da Transparência para a política e cargos públicos, a que Fernando Negrão preside (presidia?) e que parece um carro em segunda mão, sempre no pára-arranca. Aqui ao lado, em Espanha, o governo de Mariano Rajoy vegeta por culpa do afundamento ético aos olhos dos cidadãos. Em Portugal, o regime não pode dizer que não recebeu já todos os sinais de alarme.

Recomendadas

Já foi mais fácil ser banqueiro

A manutenção dos juros baixos obriga os bancos a enfrentar os crescentes desafios das ‘FinTech’ e da digitalização numa posição desconfortável, a perder negócio e com as margens sob pressão.

Matérias inflamáveis

Os ‘três F’ – futebol, fado e Fátima – que sobreviveram à queda do anterior regime como símbolos da pacificação dos portugueses – deveriam na verdade ser quatro. Quem tenta tirar ou perturbar as nossas férias está a brincar com coisas sérias. Em ano de eleições, era expectável que a habitual silly season que costuma […]

De Blade Runner ao algoritmo das emoções

O rápido progresso em ‘machine learning’ deveria ir além do mercantilismo puro e refletir sobre o grande arco moral, ético, filosófico e sociológico das nossas proezas como criadores.
Comentários