De Espanha nem bons ventos, nem muitas compras

As exportações portuguesas para Espanha desaceleraram significativamente no mês de agosto, caindo 15%, o que reduziu o seu crescimento, verificado desde o início do ano, para 2,6%. Até julho, a média do crescimento das exportações portuguesas para aquele país estava em 5,1%, valor que recuou para 2,6% quando somado o mês de agosto, o que, […]

As exportações portuguesas para Espanha desaceleraram significativamente no mês de agosto, caindo 15%, o que reduziu o seu crescimento, verificado desde o início do ano, para 2,6%.

Até julho, a média do crescimento das exportações portuguesas para aquele país estava em 5,1%, valor que recuou para 2,6% quando somado o mês de agosto, o que, segundo uma nota enviada à Lusa pela delegação da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP) em Madrid, constitui um “sintoma de clara desaceleração”.

“Esta quebra das compras espanholas deveu-se especialmente aos produtos energéticos e, em menor medida, a produtos manufaturados e bens de equipamento”, refere a nota.

Segundo o Ministério da Economia e Competitividade espanhol, o aumento das compras totais a Portugal, que ascenderam a 6.502 milhões de euros até agosto, foi menor do que o aumento total das importações espanholas, que chegou aos 5,8%.

A desaceleração registou-se igualmente, ainda que bastante mais ligeira, nas vendas espanholas a Portugal.

Até julho as importações provenientes de Espanha tinham aumentado 8,7%, valor que diminuiu para 8,1% em agosto, somando 11.625 milhões de euros.

Apesar destes dados, a AICEP destaca a evolução positiva das exportações portuguesas para Espanha, excluindo o setor de petróleo e derivados. Este setor representou no ano passado cerca de 65% do aumento verificado nesse ano, mas este ano representou menos 31%, o que significa que Portugal exportou para Espanha menos 229 milhões de euros em produtos petrolíferos do que em 2013.

“Excluindo os produtos energéticos das trocas comerciais bilaterais, podemos concluir que as exportações portuguesas para Espanha estariam a crescer cerca de 7%, um comportamento francamente positivo”, sublinha a nota.

Os dados confirmam também evoluções positivas em produtos manufaturados (inclui têxteis e confeção, calçado, brinquedos e joalharia), cujas exportações cresceram 17,3% (mais 178 milhões de euros), representando 18,6% do total.

A venda para Espanha de produtos alimentares, que representam 18% do total das exportações, cresceu 6,7% (mais 73 milhões de euros) e o setor automóvel (10,8% do total) aumentou 11,7% (mais 73 milhões de euros).

Nos primeiros oito meses de 2014, os principais clientes de Portugal foram a Galiza (18,9% do total), a Catalunha (16,7%), Madrid (16,5%), a Comunidade Valenciana (10,2%) e a Andaluzia (9%).

Por outro lado, os principais fornecedores de Portugal foram as Comunidades da Catalunha (22,6% do total), Madrid (17,1%), a Galiza (13,8%) e a Andaluzia (11,7%).

 

OJE/Lusa

Ler mais
Recomendadas

Como a Indústria 4.0 pode ajudar a criar a fábrica do futuro

A fábrica do futuro é o centro de uma cadeia de distribuição que combina clientes, fornecedores, distribuidores e parceiros com sistemas analíticos avançados. Isso pode levar a uma “produção perfeita” com o mínimo de tempo de inatividade, negligência, desperdício e ineficiência.

Sustentabilidade no investimento: menos risco, mais valor

Reduzir a quantidade de plásticos descartáveis ou viajar de comboio são duas formas de reduzir a nossa pegada ecológica. E no investimento, o que podemos fazer para reforçar a sustentabilidade?