De Londres para Madrid: Credit Suisse transfere parte dos funcionários

Apesar disso, “Londres vai continuar a ser uma parte importante para a presença do banco”, após a saída do Reino Unido da UE, disse o Credit Suisse.

Credit Suisse

O Credit Suisse vai transferir 50 trabalhadores de Londres para Madrid, para manter o acesso a clientes e mercados da União Europeia (UE) em caso de ‘brexit’ duro, indicou hoje um porta-voz do banco suíço.

“O Credit Suisse está a trabalhar para manter o acesso a clientes e mercados da UE, no caso de haver um ‘brexit’ duro” (ou seja, uma saída britânica com rutura total e sem acordo de comércio livre com a UE), disse à agência Efe o porta-voz da segunda entidade financeira helvética.

Para isso, o banco mantém conversações com reguladores, com funcionários e com outras partes interessadas.

A solução do banco para enfrentar a saída do Reino Unido da UE no próximo dia 29 de março “vai envolver várias localizações, incluindo Madrid”, disse o porta-voz.

Apesar disso, “Londres vai continuar a ser uma parte importante para a presença do banco”, após a saída do Reino Unido da UE, disse o Credit Suisse.

Em Espanha, o banco tem atualmente cerca de 240 funcionários, a que se somam agora 50 provenientes de Londres.

Ler mais
Recomendadas

Como a Indústria 4.0 pode ajudar a criar a fábrica do futuro

A fábrica do futuro é o centro de uma cadeia de distribuição que combina clientes, fornecedores, distribuidores e parceiros com sistemas analíticos avançados. Isso pode levar a uma “produção perfeita” com o mínimo de tempo de inatividade, negligência, desperdício e ineficiência.

Sustentabilidade no investimento: menos risco, mais valor

Reduzir a quantidade de plásticos descartáveis ou viajar de comboio são duas formas de reduzir a nossa pegada ecológica. E no investimento, o que podemos fazer para reforçar a sustentabilidade?
Comentários