Défice da balança comercial sobe para 1.249 milhões de euros em janeiro

O Instituto Nacional de Estatística divulgou esta segunda-feira as Estatísticas do Comércio Internacional relativas ao primeiro mês do ano. Houve um agravamento do défice da Balança Comercial em 253,1 milhões de euros no período analisado.

Aly Song/Reuters

O défice da balança comercial subiu para 1.249 milhões de euros em janeiro deste ano, mais 245 milhões de euros em relação ao mesmo mês de 2017, revelou esta segunda-feira, 12 de março, o Instituto Nacional de Estatística (INE). “Excluindo os combustíveis e lubrificantes, a balança comercial atingiu um saldo negativo de 742 milhões de euros, correspondente a um aumento do défice de 132 milhões de euros em relação ao mesmo mês de 2017”, explica o INE.

Ainda assim, no primeiro mês de 2018, quer as exportações quer as importações aumentaram 9,6% e 12,4% em termos nominais, respetivamente, quando comparado com os números de dezembro (0,0% e -0,5%, pela mesma ordem). Segundo o organismo de estatística nacional, mais de metade (62%) do crescimento nas exportações deveu-se aos materiais de transporte, sendo que esta categoria também teve um impacto significativo nas importações (ao representar 24% do acréscimo face a janeiro de 2017).

Em termos de países vendedores e compradores, destacam-se a França, o Brasil e a Itália como clientes e a Espanha e Alemanha enquanto fornecedores. “Tendo em conta os principais países de destino em 2017, os maiores crescimentos face ao mês homólogo de 2017 registaram-se nas exportações para França, Brasil e Itália (+15,6%, +95,9% e +26,0%) […]. Em janeiro de 2018 as importações provenientes de Espanha e Alemanha apresentaram os maiores aumentos (+15,2% e +15,6%)”, concretiza o mesmo relatório.

No arranque deste ano, os bens que sobressaíram nas compras e vendas de bens, face a janeiro de 2017, foram ainda os fornecimentos industriais (+8,7% nas exportações e +8,8% nas importações), as máquinas e outros bens de capital (+17,5% nas importações), além do suprarreferido material de transporte.

Notícia atualizada às 11h31

Ler mais
Relacionadas

Maior crescimento dos últimos 19 anos: investimento sobe 8,4% em 2017

O INE confirmou hoje que o Produto Interno Bruto (PIB) aumentou 2,7% no conjunto do ano passado, destacando o contributo da procura interna e, sobretudo, a aceleração do investimento
Recomendadas

Como a Indústria 4.0 pode ajudar a criar a fábrica do futuro

A fábrica do futuro é o centro de uma cadeia de distribuição que combina clientes, fornecedores, distribuidores e parceiros com sistemas analíticos avançados. Isso pode levar a uma “produção perfeita” com o mínimo de tempo de inatividade, negligência, desperdício e ineficiência.

Sustentabilidade no investimento: menos risco, mais valor

Reduzir a quantidade de plásticos descartáveis ou viajar de comboio são duas formas de reduzir a nossa pegada ecológica. E no investimento, o que podemos fazer para reforçar a sustentabilidade?
Comentários