Descida do desemprego confirma “realismo do Governo”

O ministro do Emprego, Pedro Mota Soares, defende que a descida da taxa de desemprego de 13,6% “demonstra o realismo da previsão do Governo” no Orçamento do Estado (OE) para 2015 e dá “esperança e confiança”. “Este número que temos hoje já é muito próximo do número que o Governo prevê para o próximo ano, […]

O ministro do Emprego, Pedro Mota Soares, defende que a descida da taxa de desemprego de 13,6% “demonstra o realismo da previsão do Governo” no Orçamento do Estado (OE) para 2015 e dá “esperança e confiança”.

“Este número que temos hoje já é muito próximo do número que o Governo prevê para o próximo ano, acho que isso demonstra o realismo da previsão do Governo. Há todas as condições para, do ponto de vista da economia, do ponto de vista da recuperação do emprego, que esse número no próximo ano venha a ser uma realidade”, afirmou Pedro Mota Soares aos jornalistas no parlamento.

Segundo dados divulgados hoje pelo gabinete de estatística da União Europeia (Eurostat), a taxa de desemprego em Portugal voltou a descer em setembro, para 13,6%, abaixo dos 13,9% de agosto e menos 2,1 pontos percentuais do que os 15,7% de há um ano. No OE, o Governo prevê uma taxa de desemprego de 13,4% para 2015.

“São dados francamente positivos e que tem de nos dar esperança e confiança”, disse o ministro da Solidariedade, do Emprego e da Segurança Social.

“Têm que nos dar esperança porque há 20 meses consecutivos que o desemprego tem vindo a ser reduzido em Portugal”, argumentou, acrescentando que também dão “esperança a quem está numa situação de desemprego e quer regressar ou ingressa pela primeira vez no mercado de trabalho”.

Por outro lado, Mota Soares afirmou que os dados do Eurostat “dão confiança”, relativamente à “recuperação da economia” estar “a gerar postos de trabalho”.

“O caminho que temos que continuar a fazer é este, o de estimular a economia, o de estimular o crescimento.

 

OJE/Lusa

Ler mais
Recomendadas

Marcelo aprova aumentos de 700 euros para juízes, mas critica fosso salarial face aos polícias e militares

Marcelo Rebelo de Sousa destaca que os juízes, e membros de autoridades reguladoras e de supervisão a entidades públicas empresariais e empresas públicas, passando por outras entidades administrativas, já estão com salários mais elevados do que o primeiro-ministro. O Presidente exige que a desigualdade salarial seja “encarada na próxima legislatura”.

Incêndios florestais caíram 26% este ano face a 2018

“Estamos, até hoje, com 6.800 incêndios desde o início do ano, o que significa que temos um número de incêndios 36% inferior à média dos últimos dez anos. E uma área ardida 42% inferior à média dos últimos dez anos”, sublinhou Eduardo Cabrita.

Proteção Civil tem reservas de combustível para “mais de dois meses”

Apesar de garantir que existem reservas para mais de dois meses, Eduardo Cabrita sublinha que as prioridades têm de ser asseguradas quando se fala numa dificuldade de distribuição.