Desemprego atinge o valor mais baixo desde 2009

Em novembro, o IEFP contabilizou menos 63 816 desempregados. Desemprego jovem foi o que registou a maior quebra (-17,3%).

O número de inscritos no centro de emprego caiu em novembro 11,6%. Até ao final do mês estavam inscritos no centro de desemprego 486 434 pessoas, menos 63 816 do que no início do ano, segundo dados revelados pelo IEFP (Instituto do Emprego e Formação Profissional) revelados esta quarta-feira.

Trata-se da maior quebra homóloga no número de desempregados registados e é o valor mais baixo desde março de 2009, quando se registaram 484 131 pessoas sem trabalho.

A descida mais significativa registou-se nos homens (-13,4%), ao passo que nas mulheres a quebra se fixou nos 10%. Ao longo dos últimos doze meses, também o desemprego jovem registou uma diminuição (-17,3%), enquanto nos adultos a queda foi de 10,7%.

Os dados revelam ainda que a redução do número de desempregados se estendeu também a todos os níveis de instrução. O maior decréscimo percentual verificou-se no 1º ciclo do ensino básico (-14%).

Em termos regionais, o Centro foi a região com maior queda face ao período homólogo (-16,4%). Em relação ao mês anterior, o desemprego diminuiu em todas as regiões, com exceção do Algarve, onde se verificou um acréscimo de 40,3% face a outubro.

Em novembro, o IEFP contabilizou 58 242 novas inscrições nos centros de emprego, menos 10% que em igual período do ano passado. O “fim de trabalho não permanente” continua a ser o motivo mais mencionado pelos inscritos, representando 50,1% do total. O motivo “despedido” ocupa a segunda posição (9,2%) e a categoria “ex-estudantes” surge em terceiro lugar (7,6%).

Ler mais
Recomendadas

Como a Indústria 4.0 pode ajudar a criar a fábrica do futuro

A fábrica do futuro é o centro de uma cadeia de distribuição que combina clientes, fornecedores, distribuidores e parceiros com sistemas analíticos avançados. Isso pode levar a uma “produção perfeita” com o mínimo de tempo de inatividade, negligência, desperdício e ineficiência.

Sustentabilidade no investimento: menos risco, mais valor

Reduzir a quantidade de plásticos descartáveis ou viajar de comboio são duas formas de reduzir a nossa pegada ecológica. E no investimento, o que podemos fazer para reforçar a sustentabilidade?
Comentários