Despesa com a saúde cresce menos que o PIB

O Governo de António Costa manteve a tendência do anterior executivo, de Passos Coelho, e a despesa pública com o setor continuou a aumentar menos que o produto interno bruto nacional, segundo dados do INE.

A despesa pública e privada com a saúde cresceu a um ritmo mais baixo que o produto interno bruto (PIB) nacional em 2016, tal como já tinha acontecido no ano anterior. A despesa corrente em saúde aumentou 2,7% no ano passado, o que compara com uma subida de 3,1% registada em 2015, segundo dados divulgados esta segunda-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

“Em ambos os anos a taxa de crescimento nominal foi inferior à do PIB (3,7% em 2015 e 3,0% em 2016), tendência que se observa desde 2010. No mesmo período, a despesa corrente pública em saúde cresceu mais intensamente que a despesa corrente privada”, explicou o INE em comunicado.

“Esta evolução traduziu-se na diminuição continuada do peso relativo da despesa corrente em saúde no PIB que, em 2016, atingiu 8,9%, idêntico ao registado em 2003”. A estimativa de aumento da despesa pública é de 2,8% em 2016, face aos 3,3% em 2015. Já a despesa privada terá subido 2,6% no ano passado, face aos 2,7% no ano anterior.

Recomendadas

“Dietas milagrosas” contrariam forma saudável de perder peso, alerta Deco

Para perder peso e manter a saúde, a dieta deve ser variada, eliminar os alimentos hipercalóricos, contemplar nunca menos de 1200 quilocalorias diárias (no caso das mulheres) e 1500 quilocalorias (no caso dos homens).

Gastos irregulares de cinco hospitais públicos sob suspeita

Inspeção-Geral das Atividades em Saúde realizou auditorias a cinco hospitais públicos e encontrou gastos irregulares no valor de 23,5 milhões de euros. 

Saúde. Privados investem 750 milhões de euros na criação de 19 hospitais até 2020

O grande reforço da oferta privada é em Lisboa e no Porto. Mas também há uma aposta em novas regiões como na Madeira, Açores, Vila Real ou Viseu, de acordo com o presidente da Associação Portuguesa de Hospitalização Privada, Óscar Gaspar.
Comentários