Despesa do Estado aumentou em 35 milhões com obras acrescidas

Tribunal de Contas salienta as deficiências na concepção dos projectos como causa originária do aumento da despesa. As falhas levaram a alterações em 184 contratos.

A despesa do Estado aumento em cerca de 35 milhões no ano passado devido aos trabalhos a mais em obras públicas, diz o relatório do Tribunal de Contas noticiado pelo Correio da Manhã.

O organismo salienta as deficiências na concepção dos projectos como causa originária do aumento da despesa, apontando o sector empresarial do Estado como responsável pelo maior número de contratos adicionais, especialmente ao nível das estradas.

A auditoria avança que foram realizados menos contratos adicionais em 2016 “mas o montante financeiro do acréscimo dos encargos, bem como da supressão de trabalhos contratuais voltou a aumentar”.

A análise do TdC considerou 700 contratos do ano passado, com uma despesa orçamentada na ordem dos 971 milhões de euros. Do total de contratos analisados, 184 foram alvo de revisão, diz o organismo.

A supressão de vários trabalhos no valor de 31,1 milhões de euros foi um fator-chave na diminuição da despesa e posterior equilíbrio da balança. Destaca-se a Infraestruturas de Portugal e a Parque Escolar como as empresas com mais contratos adicionais revistos e mais obras suprimidas.

Contas feitas, o acréscimo total da despesa acabou por se fixar 3,9 milhões de euros, conclui o terceiro relatório sobre acréscimos de custos nas obras públicas.

Ler mais
Recomendadas

Como a Indústria 4.0 pode ajudar a criar a fábrica do futuro

A fábrica do futuro é o centro de uma cadeia de distribuição que combina clientes, fornecedores, distribuidores e parceiros com sistemas analíticos avançados. Isso pode levar a uma “produção perfeita” com o mínimo de tempo de inatividade, negligência, desperdício e ineficiência.

Sustentabilidade no investimento: menos risco, mais valor

Reduzir a quantidade de plásticos descartáveis ou viajar de comboio são duas formas de reduzir a nossa pegada ecológica. E no investimento, o que podemos fazer para reforçar a sustentabilidade?
Comentários