“Detesto investimento chinês porque não traz coisíssima nenhuma”

O empresário Alexandre Soares dos Santos afirma detestar investimento chinês, considerando que “não traz coisíssima nenhuma” ao país. “Detesto investimento chinês, porque não traz coisíssima nenhuma, nem know how [conhecimento] nem sequer management [gestão]”, afirmou o antigo presidente da Jerónimo Martins. Alexandre Soares dos Santos falava durante a sua intervenção na conferência “Portugal em Exame”, […]

O empresário Alexandre Soares dos Santos afirma detestar investimento chinês, considerando que “não traz coisíssima nenhuma” ao país.

“Detesto investimento chinês, porque não traz coisíssima nenhuma, nem know how [conhecimento] nem sequer management [gestão]”, afirmou o antigo presidente da Jerónimo Martins.

Alexandre Soares dos Santos falava durante a sua intervenção na conferência “Portugal em Exame”, com o tema “Três gerações, três visões sobre o país”, organizada pela revista Exame em parceria com o Banco Popular. No final do debate, o empresário escusou-se a falar, argumentando que estava atrasado para um evento em Aveiro.

Durante a sua intervenção, ao lado de Rui Nabeiro e Teodora Cardoso, Alexandre Soares dos Santos defendeu que “o Presidente da República tem por obrigação convocar os partidos políticos para definir um plano a 10 ou 15 anos” para o país.

“Nós andamos permanentemente a mudar, sem saber para onde queremos ir”, argumentou, considerando urgente “um acordo político”.

A economista Teodora Cardoso defendeu que a constituição é omissa em relação ao Orçamento do Estado, considerando que “não ajuda” definir “apenas as despesas que têm fundamento constitucional”.

“Devia-se pensar muito seriamente o enquadramento orçamental na Constituição”, acrescentou.

 

OJE/Lusa

Ler mais
Recomendadas

Como a Indústria 4.0 pode ajudar a criar a fábrica do futuro

A fábrica do futuro é o centro de uma cadeia de distribuição que combina clientes, fornecedores, distribuidores e parceiros com sistemas analíticos avançados. Isso pode levar a uma “produção perfeita” com o mínimo de tempo de inatividade, negligência, desperdício e ineficiência.

Sustentabilidade no investimento: menos risco, mais valor

Reduzir a quantidade de plásticos descartáveis ou viajar de comboio são duas formas de reduzir a nossa pegada ecológica. E no investimento, o que podemos fazer para reforçar a sustentabilidade?