Dividendo, a difícil arte de remunerar o acionista

Numa altura de taxas de juro ultra-baixas, as cotadas usam os dividendos para atrair e cativar os investidores. A fórmula não é, no entanto, linear pois nem sempre a manutenção ou subida dos valores é sinal positivo.

“Em termos de dividendos futuros, só digo o que está escrito, precisamente para não permitir interpretações”. A frase de Francisco Lacerda, CEO dos CTT, na apresentação de resultados da empresa, mostra a sensibilidade com que os gestores lidam com a questão da remuneração acionista.

Na época de contas no PSI 20, o caso do operador postal foi o que mais se destacou. Após anunciar um tombo de 56% no resultado do ano passado, Lacerda confirmou o corte de 21% no dividendo, que tinha sido admitido em novembro e levado as ações a afundar mais de um quinto numa só sessão. Para evitar que a situação se repita, os CTT vão passar a pagar um dividendo em função do resultado, ou seja de um rácio de payout, deixando de prometer um valor absoluto.

Artigo publicado na edição semanal do Jornal Económico. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

PSI 20 acompanha Europa em alta. Títulos do Grupo EDP impulsionam praça nacional

O principal índice bolsista português soma 0,46%, para 4.855,54 pontos.

Abrandamento da economia poderá ser entrave para Moody’s igualar as pares na avaliação de Portugal

A Moody’s tem agendada uma avaliação à notação da dívida soberana portuguesa esta sexta-feira. A agência poderá querer alinhar-se com a S&P e a Fitch através de uma subida de um grau para ‘Baa2’, mas as incertezas que estão a esfriar o crescimento da economia global poderão ser motivo para manter o ‘status quo’.

Acalmia cambial trouxe bons resultados em Wall Street

O índice tecnológico S&P, .SPL.RCT, que inclui empresas que têm uma maior exposição ao mercado chinês e estiveram no centro das vendas registadas na segunda-feira, foi aquele que mais valorizou nesta sessão, com um crescimento de 1,61%.
Comentários