Do bónus de milhões para a prisão. A queda de um corretor estrela

Christian Bittar chegou a receber um bónus de 126 milhões de dólares (cerca de 102 milhões de euros), em 2008. Agora está na prisão.

Christian Bittar, de 46 anos, esteve entre os corretores mais bem pagos do Deutsche Bank. Agora, declarou-se culpado no tribunal de Londres pelo envolvimento no escândalo da manipulação das taxas interbancárias. De acordo com a agência Bloomberg. Está sob custódia e deverá ser julgado até ao final do verão.

“Não seria correto comentar sobre este assunto”, disse David Savell, advogado de Bittar à agência noticiosa norte-americana.

O escândalo da Libor foi conhecido em finais de junho de 2012, quando o banco Barclays anunciou que ia pagar uma multa de 290 milhões de libras (cerca de 360 milhões de euros) às autoridades financeiras do Reino Unido e dos Estados Unidos por manipulação da Libor e a Euribor, usadas como referência nos empréstimos interbancários e outras operações financeiras, entre 2005 e 2009.

A taxa Libor (sigla de London InterBank Offered Rate) resulta da média da taxa de juro a que vários bancos emprestam dinheiro entre si e é utilizada no Reino Unido, e um pouco por todo o mundo, como referência para os créditos a empresas e particulares. Além disso, também serve de indexante para alguns produtos financeiros.

O escândalo da Libor em 2012, em que foi descoberto que havia bancos que manipulavam essas taxas de forma a fazer subir os seus lucros, bem como o ambiente de fraca liquidez que se seguiu à crise financeira, minaram alguma da confiança relativamente à fixação da taxa. Essa suspeição acabou por forçar o European Money Markets Institute (EMMI) a procurar reformar a metodologia da cálculo das Euribor.

Relacionadas

Responsáveis do Deutsche Bank abdicam de bónus salariais

O CEO do Deutsche Bank, John Cryan, referiu que os 12 membros do conselho executivo não vão receber esses bónus mas que a compensação variável vai ser paga aos restantes membros do staff como estava planeado.

Deutsche Bank pretende colocar gestora de fundos em bolsa, num negócio de 2 mil milhões euros

Ainda que o valor não tenha sido confirmado, a Bloomberg refere que o objetivo será o de vender 25% das ações a vários investidores. John Cryan, líder do banco alemão, espera com esta medida consolidar os resultados da instituição.

Deutsche Bank vai cortar 250 empregos em todo o mundo

A incapacidade em equilibrar as despesas com os lucros está a obrigar o banco alemão a ter de proceder a uma nova vaga de despedimentos. O banco alemão fechou 2017 com um prejuízo de 500 milhões de euros.

Deutsche Bank regista perdas de 497 milhões de euros em 2017

Na apresentação do balanço, o presidente do banco, John Cryan, disse que conseguiram os primeiros benefícios antes da aplicação dos impostos, dos últimos três anos, e que “os números vermelhos” registaram-se depois de o Deutsche Bank ter sido taxado “no final do ano, pela reforma fiscal da União Europeia”.

Frankfurt não quer banqueiros londrinos (por várias razões)

A capital financeira alemã poderá receber até 10 mil novos banqueiros e acrescentar mais de 85 milhões de euros à sua receita anual, mas os locais não estão muito contentes com a ideia.
Recomendadas

Inovação e empreendedorismo

Há que aplicar as novas tecnologias à cadeia de valor de uma empresa para que esta possa fornecer a melhor resposta ao cliente, conhecendo e focando-se nas necessidades que este tem. Neste ponto as startups representam uma mais-valia.

CGD avalia ações contra gestores que aprovaram crédito a Vale do Lobo

Advogados da CGD estão a avaliar ações cíveis contra gestores da administração de Santos Ferreira que deram ‘luz verde’ a operação Vale do Lobo. Parecer é entregue após o verão para decisão final.

JP Morgan bem posicionado para liderar entrada em bolsa da WeWork

Dona da WeWork vai emitir obrigações até seis mil milhões de dólares e fontes próximas da empresa revelaram que a instituição financeira que montar esta operação poderá ter papel ativo na entrada em bolsa da WeWork.
Comentários