Do Parlamento para a faculdade. Passos Coelho vai dar aulas no ISCSP

O Conselho Científico do ISCSP já terá autorizado a entrada do antecessor de Rui Rio na liderança do PSD no quadro docente da faculdade, localizada no Pólo Universitário do Alto da Ajuda, em Lisboa.

Rafael Marchante/Reuters

Pedro Passos Coelho vai dar aulas no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas (ISCSP), da Universidade de Lisboa, noticiou a “Visão” esta sexta-feira. O antigo primeiro-ministro e ex-presidente do PSD deverá integrar a equipa docente na área de Administração Pública.

O Jornal Económico já tinha noticiado a 28 de janeiro, em primeira mão, que Passos Coelho se preparava para “abraçar” a vida de professor universitário. Informação agora reforçada com a descoberta da instituição que receberá Passos.

De acordo com a newsmagazine, Pedro Passos Coelho aceitou o convite da direção do ISCSP, presidida por Manuel Meirinho, ex-deputado do PSD na Assembleia da República, depois de ter renunciado ao mandato de deputado no Parlamento, no final de fevereiro.

O Conselho Científico do ISCSP já terá autorizado a entrada do antecessor de Rui Rio no quadro docente da faculdade, localizada no pólo universitário do Alto da Ajuda, em Lisboa.

Pedro Passos Coelho deverá ficar associado a disciplinas relacionadas, essencialmente, com economia e lecionadas em mestrados e doutoramentos, referiu a “Visão”.

Entre o corpo docente do ISCSP contam-se também antigos governantes como Luís Amado (antigo-ministro dos Negócios Estrangeiros), Rui Pereira (antigo ministro da Administração Interna) e António de Sousa Lara (antigo secretário de Estado da Cultura).

O antigo presidente do Tribunal de Contas Guilherme d’Oliveira Martins, António Rebelo de Sousa, irmão do atual Presidente da República, e António José Seguro, antigo secretário-geral do PS, também dão aulas naquela faculdade.

Antes de ter sido primeiro-ministro (2011-2015), o social-democrata já tinha sido professor no Instituto Superior de Ciências Educativas.

Pela terceira vez, ISCSP e Passos cruzam-se

Esta não é a primeira vez que o ISCSP surge na vida de Passos Coelho. Em março de 2013, o então primeiro-ministro, de um Portugal sob programa de assistência financeira da Troika (FMI; BCE; Comissão Europeia), foi recebido no ISCSP por uma parte da comunidade estudantil que protestava contra a governação do executivo PSD/CDS.

Segundo a Agência Lusa, aquela altura,  Passos Coelho que foi à faculdade da Ajuda para participar na sessão de abertura da conferência “Sociedade Aberta e Global – das funções do Estado e políticas públicas à administração pública”, organizada pelo ISCSP e INA – Instituto Nacional de Administração, foi recebido por estudantes que gritavam “Demissão, Demissão” e que empunhavam cartazes com as inscrições “Vieram ao local certo aprendam a governar” e “A Nossa solução é a vossa demissão”.

Perante o aparato, a direção do ISCSP teve que tomar medidas de segurança e o evento decorreu à porta fechada. Os estudantes ficaram do lado de fora e a maior parte dos lugares do auditório Adriano Moreira ficaram vazios.

Já em setembro de 2012, uma visita de Passos Coelho ao ISCSP deu que falar quando foi assistir a uma homenagem a Adriano Moreira, professor catedrático jubilado e fundador e antigo líder do CDS.

De acordo com a Lusa, à época, ao chegar à instituição de ensino superior, o antigo líder do PSD foi recebido em protesto pelos alunos. Um dos estudantes insultou diretamente Pedro Passo Coelho, sendo de imediato abordado por um elemento da segurança do então primeiro-ministro. O aluno foi ainda identificado no local pela PSP e o caso ganhou dimensão mediática, após o segurança de Passos Coelho ter importunado e impedido um operador de câmara de filmar o sucedido.

O caso ficou resolvido em outubro desse ano, quando o ISCSP anunciou ter advertido “sem consequências disciplinares” o estudante em causa, que “reconheceu ter usado expressões inapropriadas”.

Ler mais
Relacionadas

A nova vida de Pedro Passos Coelho

Ex-primeiro-ministro está a escrever um livro sobre a sua governação nos tempos do resgate e pós-troika. Dar aulas e consultoria são outros desafios.
Recomendadas

Marcelo aprova aumentos de 700 euros para juízes, mas critica fosso salarial face aos polícias e militares

Marcelo Rebelo de Sousa destaca que os juízes, e membros de autoridades reguladoras e de supervisão a entidades públicas empresariais e empresas públicas, passando por outras entidades administrativas, já estão com salários mais elevados do que o primeiro-ministro. O Presidente exige que a desigualdade salarial seja “encarada na próxima legislatura”.

Incêndios florestais caíram 26% este ano face a 2018

“Estamos, até hoje, com 6.800 incêndios desde o início do ano, o que significa que temos um número de incêndios 36% inferior à média dos últimos dez anos. E uma área ardida 42% inferior à média dos últimos dez anos”, sublinhou Eduardo Cabrita.

Proteção Civil tem reservas de combustível para “mais de dois meses”

Apesar de garantir que existem reservas para mais de dois meses, Eduardo Cabrita sublinha que as prioridades têm de ser asseguradas quando se fala numa dificuldade de distribuição.
Comentários