Donald Trump assinou orçamento do Governo federal apesar de ter ameaçado o veto

“Vou assinar o projeto de lei” mesmo que ele tenha “muitas de coisas com as quais não estou contente”, afirmou Trump, numa declaração na Casa Branca

Jonathan Ernst/REUTERS

O Presidente norte-americano, Donald Trump, assinou hoje o orçamento do Governo federal, horas depois de ter admitido o veto por não contemplar a verba que pretendia para financiar na totalidade o muro com o México.

“Vou assinar o projeto de lei” mesmo que ele tenha “muitas de coisas com as quais não estou contente”, afirmou Trump, numa declaração na Casa Branca, após a assinatura do orçamento federal, aprovado de madrugada pelo Senado, com 65 votos a favor e 32 contra.

Donald Trump promulgou a lei orçamental federal de 1,3 biliões de dólares antes da meia-noite de hoje, para evitar que os Estados Unidos enfrentassem uma terceira paralisação administrativa parcial num período de poucas semanas.

 

Relacionadas

Trump já sabe como vai fazer o México pagar o muro

“O México pode não querer chegar a um acordo. Está bem, então vou sair”, disse Trump ao “Wall Street Journal, sobre o tratado comercial com os vizinhos.

Quem vai pagar o muro de Trump? Presidente desmente chefe de gabinete da Casa Branca

O presidente dos Estados Unidos corrige seu chefe de gabinete e lembra que “direta ou indiretamente” o país vizinho deve assumir o custo da construção. E mete o acordo NAFTA pelo meio.

Donald Trump ratifica orçamento que põe fim ao ‘shutdown’ nos EUA

Com este acordo, alcançado durante a madrugada no Congresso, Trump pode cumprir uma das promessas de campanha, aumentar o orçamento das Forças Armadas, ao alargar o prazo da dívida para março de 2019.
Recomendadas

Marcelo aprova aumentos de 700 euros para juízes, mas critica fosso salarial face aos polícias e militares

Marcelo Rebelo de Sousa destaca que os juízes, e membros de autoridades reguladoras e de supervisão a entidades públicas empresariais e empresas públicas, passando por outras entidades administrativas, já estão com salários mais elevados do que o primeiro-ministro. O Presidente exige que a desigualdade salarial seja “encarada na próxima legislatura”.

Incêndios florestais caíram 26% este ano face a 2018

“Estamos, até hoje, com 6.800 incêndios desde o início do ano, o que significa que temos um número de incêndios 36% inferior à média dos últimos dez anos. E uma área ardida 42% inferior à média dos últimos dez anos”, sublinhou Eduardo Cabrita.

Proteção Civil tem reservas de combustível para “mais de dois meses”

Apesar de garantir que existem reservas para mais de dois meses, Eduardo Cabrita sublinha que as prioridades têm de ser asseguradas quando se fala numa dificuldade de distribuição.
Comentários