Donald Trump nomeia conservador Brett Kavanaugh juiz do Supremo Tribunal

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, nomeou o magistrado conservador Brett Kavanaugh para o Supremo Tribunal, numa intervenção na segunda-feira à noite.

“Hoje tenho a honra e o privilégio de anunciar a nomeação para o Supremo Tribunal dos Estados Unidos de Brett Kavanaugh”, um juiz com “credenciais impecáveis”, declarou Trump.

“É jurista brilhante, de textos claros, considerado por todos como uma das mentes legais mais agudas do nosso tempo”, acrescentou o Presidente norte-americano, numa intervenção proferida às 21:00 e transmitida pelas televisões.

Este anúncio de Trump era muito esperado, na sequência da reforma inesperada, anunciada em finais de junho, do juiz Anthony Kennedy, de 81 anos, um dos nove membros do Supremo norte-americano.

Atualmente juiz do tribunal de apelo de Washington, Brett Kavanaugh, de 53 anos, foi conselheiro jurídico do antigo Presidente republicano George W. Bush.

“Se for confirmado pelo Senado, irei manter a mente aberta em todos os casos e procurarei preservar a Constituição”, prometeu Kavanaugh, num breve discurso proferido na presença de Trump e dos pais, aos quais prestou homenagem.

“Um juiz deve ser independente, deve interpretar a lei, não fabricar a lei”, e agir guiado pela “história, tradição e precedentes”, sublinhou.

Kavanaugh aguarda, agora, a confirmação da câmara alta do Congresso, onde os republicanos têm uma pequena maioria.

O juiz Kennedy, de 81 anos, desempenhou um papel fundamental: conservador em questões como as armas ou o financiamento eleitoral, era mais progressista em temas como o aborto, a discriminação positiva ou o casamento homossexual.

Ler mais
Relacionadas

Trump a um mês de poder escolher mais um juiz do Supremo

Anthony Kennedy, considerado um moderado, vai reformar-se do Supremo Tribunal norte-americano. A partir de 31 de julho, Trump poderá substituí-lo.

Decreto anti-imigração: Supremo norte-americano dá razão a Donald Trump

Votação foi renhida mas caiu a favor do presidente dos EUA.

Dossiê Rússia: poderá Donald Trump perdoar-se a si próprio?

A esta pergunta, o presidente norte-americano e os seus advogados respondem ‘sim’. O procurador Robert Mueller tenta provar que não – tal como diz um acórdão de 1974, que tem o inconveniente de nunca ter sido analisado por um tribunal superior.
Recomendadas

“Que Deus abençoe a memória daqueles em Toledo”. Trump engana-se no nome da cidade do massacre no Ohio

O presidente norte-americano referiu-se referiu a Toledo, e não a Dayton, nas suas observações sobre um dos recentes massacres onde morreram nove pessoas e outras 27 ficaram feridas.

A “Casa de Papel” na vida real: Assalto à Casa da Moeda do México leva dos cofres 50 milhões em menos de 4 minutos

Os assaltantes conseguiram desarmar um guarda e furar todas as barreiras de segurança até chegarem ao cofre de segurança, que estaria aberto. Em menos de quatro minutos, o grupo de homens roubou e fugiu do edifício sem que a polícia tivesse sequer chegado.

Japão testa drones que transportam pessoas para diminuir o trânsito

Os responsáveis pelo projeto apontam que os drones tripulados poderão ser uma solução para combater o trânsito: “O Japão é um país com uma densidade populacional muito elevada, e como tal, carros voadores poderão ser a solução para diminuir o trânsito no país”.
Comentários