‘Dot plot’ indica que Fed vai manter plano de três aumentos de taxas este ano

A primeira reunião política monetária da Reserva Federal sob a liderança de Jerome Powell resultou num esperado aumento de taxas de juro. Em relação ao resto do ano também não houve surpresas, com a manutenção da previsão de mais dois aumentos.

A Reserva Federal norte-americana sinalizou que deverá manter o plano de implementar três aumentos da taxa de juro diretora este, o primeiro dos quais foi anunciado esta quarta-feira. Na primeira reunião do  Comité Federal de Mercado Aberto (FOMC)  liderada pelo novo chairman, Jerome Powell, o banco central norte americano decidiu aumentar a federal funds rate em 0,25 pontos base para um intervalo entre 1,5% e 1,75%.

No entanto, a reforma fiscal e outros incentivos económicos implementados pela administração de Donald Trump poderão levar a economia norte-americana a sobreaquecer, criando pressão inflacionária e um escalar das yields da obrigações soberanas (as Treasuries), um mistura que tem levado a expectativas que a Fed poderá acelerar o ritmo de subidas nas taxas.

Em conferência de imprensa, Powell afirmou que “as projeções dos participantes na reunião sobre o caminho apropriado para a federal funds rate refletiram a abordagem de subidas graduais”. Salientou que segundo o dot plot,  ou mapa de pontos que mostra as previsões das taxas de juros feitas pelos membros do Comité, indica que a previsão média é que a taxa atinja os 2,1% no final deste ano, 2,9% no final de 2019, e 3,4% no final de 2020.

“A maioria dos participantes aumentou as projeções desde de dezembro, mas a projeção média para este ano não mudou”, salientou.

Powell sublinhou que o aumento da taxa de juro anunciada esta quarta-feira é mais um passo no processo de reduzir os estímulos monetários de forma gradual.

O novo chairman da Fed recordou que a inflação na maior economia do mundo permanece abaixo dos 2%, tendo atingido os 1,7% nos doze meses até fevereiro, com a inflação core, ou seja, sem preços de energia e bens alimentares,  a registar apenas 1,5%. Powell explicou que a distância à meta resulta de algumas quedas “pouco habituais” nos preços que ocorreram há um ano, adiantando que nos próximos meses esse efeito já não terá efeito e a inflação deverá subir para mais perto de 2% e estabilizar nesse nível.

“Claro que várias forças irão continuar a afetar a inflação, por vezes poderá estar acima dos 2% e noutras alturas abaixo. O nosso objetivo na inflação é simétrico, no sentido que estamos a tentar evitar desvios persistentes em qualquer uma das direções”, frisou.

A ideia de a Fed tolerar inflação acima de 2% assustou temporariamente os mercados, com os índices em Wall Street a aliviarem dos ganhos, antes de retomarem a rota de subida, animados pela confiança demonstrada por Powell sobre a economia norte-americana.

A Fed reviu em alta as projeções económicas e vê agora a economia a expandir 2,7% este ano, face à anterior previsão de 2,5%. Em 2019, o crescimento deverá ser de 2,4% (comparado com a previsão de 2,1% em dezembro, e em 2020 de 2%.

A estimativas para a inflação ficaram praticamente inalteradas: 1,9% este ano, 2% no próximo e 2,1% em 2020.

[Atualizada às 19h27]

Ler mais

Relacionadas

Esperado e confirmado: Reserva Federal aumenta taxas de juro

O banco central norte-americano anunciou o primeiro aumento da taxas este ano, de 0,25 pontos base, uma decisão era dada como garantida pelos analistas e investidores. Em comunicado, a Fed mostrou-se confiante no ritmo de crescimento da atividade económica.

Euro sobe ligeiramente face ao dólar antes de decisões da Fed

A Reserva Federal termina hoje uma reunião de política monetária de dois dias, a primeira presidida por Jerome Powell, que substituiu Janet Yellen na liderança do banco central norte-americano em fevereiro.

Antes da decisão da Fed, Wall Street abre a perder

O destaque continua no tecnológico Nasdaq, que recua 0,17% para 7.351,58 pontos, com as ações do Facebook a caírem 2,06% para 164,68 dólares.

Powell põe lenha na fogueira, mas arrisca incendiar os mercados

A subida das taxas de juro nos EUA esta quarta-feira é quase garantida, mas ainda assim pode haver surpresas. Os analistas estarão a olhar para revisões dos aumentos ao longo do ano e qualquer palavra mais intensa poderá levar a subidas nas ‘yields’ norte-americanas e do dólar.
Recomendadas

PSI 20 acompanha Europa em alta. Títulos do Grupo EDP impulsionam praça nacional

O principal índice bolsista português soma 0,46%, para 4.855,54 pontos.

Abrandamento da economia poderá ser entrave para Moody’s igualar as pares na avaliação de Portugal

A Moody’s tem agendada uma avaliação à notação da dívida soberana portuguesa esta sexta-feira. A agência poderá querer alinhar-se com a S&P e a Fitch através de uma subida de um grau para ‘Baa2’, mas as incertezas que estão a esfriar o crescimento da economia global poderão ser motivo para manter o ‘status quo’.

Acalmia cambial trouxe bons resultados em Wall Street

O índice tecnológico S&P, .SPL.RCT, que inclui empresas que têm uma maior exposição ao mercado chinês e estiveram no centro das vendas registadas na segunda-feira, foi aquele que mais valorizou nesta sessão, com um crescimento de 1,61%.
Comentários