Draghi: “se há tarifas contra os aliados, podemos questionar quem são os inimigos”

Presidente do BCE reagiu às ameaças da imposição de tarifas pelos EUA. “As decisões unilaterais são perigosas”, sublinhou o italiano.

Armando Babani/EPA/Lusa

O aviso já tinha sido dado no discurso após a reunião do Conselho de Governadores do Banco Central Europeu esta quinta-feira – o crescente protecionismo é um dos principais riscos negativos no outlook de crescimento da zona euro.

No entanto, foi na conferência de imprensa logo a seguir que Mario Draghi, presidente da instituição, explicou esses riscos de forma mais completa e clara.

Sem mencionar diretamente a ameaça do presidente norte-americano Donald Trump, de impôr tarifas às importações de aço e alumínio, e sem usar o termo ‘guerra comercial”, Draghi sublinhou os perigos.

“O que me parece é que, seja qual for a convicção que uma pessoa tenha sobre o comércio, e certamente o Conselho de Governadores segue esta linha, estamos convencidos que as disputas devem ser discutidas e resolvidas num quadro multilateral  e que as decisões unilaterais são perigosas”, referiu.

“Além disso, há certamente uma preocupação sobre o estado das relação internacionais, porque se se impõe tarifas contra os aliados, podemos questionar quem são os inimigos”, sublinhou.

O presidente do BCE acrescentou que na análise do impacto de tarifas, há vários factores a ter em conta. O primeiro é se irá haver retaliação. O segundo é ver qual será o impacto nas taxas de câmbio.

“Mas em terceiro, e mais importante, é um aspecto em todas, ainda não as chamaria de guerras comerciais, mas em todas as trocas, é o efeito na confiança. E isso é muito difícil de avaliar, estimar, prever, mas se o impacto na confiança é negativo, vai ser negativo tanto na inflação como no output”, afirmou.

Ler mais

Relacionadas

BCE mantém taxas inalteradas, mas remove referência a eventuais aumentos na compra de ativos

A decisão sobre as taxas era prevista pelos analistas, mas a remoção da opção de acelerar as compras caso o outlook se torne desfavorável foi uma surpresa. A atenção passa agora para a conferência de imprensa de Draghi às 13h30.

BCE: De Guindos tem caminho aberto para suceder a Vítor Constâncio

Na sequência do parecer do Conselho do BCE e da posição do Parlamento Europeu, o novo vice-presidente da instituição será nomeado pelo Conselho Europeu.

Entre falcões e pombas: luta de ‘angry birds’ no Conselho do BCE?

Esta quinta-feira há nova reunião de política monetária do Banco Central Europeu. Os investidores vão estar atentos às palavras do presidente, Mario Draghi, que se encontra pressionado entre a inflação abaixo da meta e os argumentos de que os estímulos já demoram em terminar.
Recomendadas

PSI 20 acompanha Europa em alta. Títulos do Grupo EDP impulsionam praça nacional

O principal índice bolsista português soma 0,46%, para 4.855,54 pontos.

Abrandamento da economia poderá ser entrave para Moody’s igualar as pares na avaliação de Portugal

A Moody’s tem agendada uma avaliação à notação da dívida soberana portuguesa esta sexta-feira. A agência poderá querer alinhar-se com a S&P e a Fitch através de uma subida de um grau para ‘Baa2’, mas as incertezas que estão a esfriar o crescimento da economia global poderão ser motivo para manter o ‘status quo’.

Acalmia cambial trouxe bons resultados em Wall Street

O índice tecnológico S&P, .SPL.RCT, que inclui empresas que têm uma maior exposição ao mercado chinês e estiveram no centro das vendas registadas na segunda-feira, foi aquele que mais valorizou nesta sessão, com um crescimento de 1,61%.
Comentários