Duas pessoas constituídas arguidas após buscas na Câmara de Pedrógão Grande

“Confirma-se a realização de buscas no âmbito de um inquérito que corre termos no Ministério Público do DIAP [Departamento de Investigação e Ação Penal] de Leiria e onde se investiga a eventual prática do crime de peculato. O inquérito tem dois arguidos constituídos”, disse à Lusa a mesma fonte.

Duas pessoas foram hoje constituídas arguidas e estão a ser investigadas por eventual crime de peculato na sequência de buscas realizadas na Câmara de Pedrógão Grande, distrito de Leiria, disse hoje à agência Lusa fonte da Procuradoria-Geral da República.

“Confirma-se a realização de buscas no âmbito de um inquérito que corre termos no Ministério Público do DIAP [Departamento de Investigação e Ação Penal] de Leiria e onde se investiga a eventual prática do crime de peculato. O inquérito tem dois arguidos constituídos”, disse à Lusa a mesma fonte.

Três trabalhadores do município de Pedrógão Grande foram hoje suspensos no âmbito de uma investigação ao desvio de pelo menos 30 mil euros da autarquia, disse o presidente da Câmara, Valdemar Alves, à agência Lusa.pedrogao

Os funcionários suspensos pertencem ao serviço de contabilidade da Câmara de Pedrógão Grande e sobre eles recaem indícios de “apropriação indevida de dinheiro” deste município do distrito de Leiria, afirmou Valdemar Alves, indicando que elementos da Polícia Judiciária (PJ) estiveram hoje na sede da autarquia.

A queixa ao Ministério Público foi apresentada pelo revisor oficial de contas da Câmara Municipal e pelo próprio presidente do executivo, já depois das autárquicas de 01 de outubro, em que Valdemar Alves foi eleito para um segundo mandato, desta vez em listas do PS, após ter exercido funções durante quatro anos pelo PSD.

“Ainda não sabemos ao certo o valor” do desvio, mas será “acima de 20 a 30 mil euros”, adiantou o autarca.

Valdemar Alves, antigo inspetor da PJ, disse que uma auditoria em curso deverá permitir conhecer com mais rigor o montante e outros detalhes relativamente ao dinheiro em falta nos cofres da autarquia.

Ler mais
Recomendadas

Justiça arquiva investigação à Yupido, a startup portuguesa com capital social de 29 mil milhões

Yupido captou a atenção da comunicação social em setembro de 2017, após o economista Carlos Pinto ter divulgado nas redes sociais o capital social desta startup tecnológica. Até ao dia de hoje, a Yupido nada produziu, nem regista atividade pública. O revisor oficial de contas que avaliou o capital da empresa foi suspenso dois anos.

Estado não cumpre pagamentos de indemnizações por falta de dotação orçamental

Estado devia ter pago 18 milhões de euros em indemnizações mas só pagou pouco mais de sete mil euros, no final de 2018, por decisões na Justiça. Relatório revelou que dotação orçamental é insuficiente para cumprir com os pagamentos das indemnizações.

Tribunais afastaram 64 políticos e gestores em oito anos

Em 2012 e 2013 verificou-se o maior número de perdas de mandato (seis) e destituições (cinco), escreve o JN.
Comentários