Duas praias do Algarve fechadas a banhos por sujidade

As autoridades marítimas detetaram este domingo mau cheiro e sujidade em duas praias do concelho de Albufeira, no Algarve, que foram interditadas a banhos por ordem da Administração da Região Hidrográfica do Algarve, disse o capitão do porto de Portimão.

As autoridades marítimas detetaram este domingo mau cheiro e sujidade em duas praias do concelho de Albufeira, no Algarve, que foram interditadas a banhos por ordem da Administração da Região Hidrográfica do Algarve, disse o capitão do porto de Portimão.

Na origem dessa sujidade está “a chuva que se verificou nos últimos dias e que arrastou sujidade e trouxe mau cheiro de uma ribeira próxima, que desagua entre a praia dos Alemães e a praia do INATEL”, disse à agência Lusa o comandante Ricardo Arrabaça, capitão do porto de Portimão, cuja jurisdição abrange também a zona de Albufeira.

A situação foi detetada ao final da manhã e as autoridades marítimas “contactaram de imediato a Administração da Região Hidrográfica (ARH) do Algarve”, que determinou o encerramento das duas praias mais próximas da zona afetada.

“Foi hasteada a bandeira vermelha e as duas praias estão interditas a banhos, até que se confirme, através de análises, que a água já não tem nenhum problema”, disse ainda o capitão do porto de Portimão.

A mesma fonte referiu ainda que foi também “retirada a bandeira azul” enquanto se mantiver a situação.

Questionado sobre o tempo que pode demorar a levantar a interdição, a mesma fonte disse que não podia fazer uma estimativa certa, mas que, “sem querer pôr qualquer tipo de pressa à ARH, habitualmente, os resultados das análises deste tipo costumam ser no dia seguinte.

O capitão do porto acrescentou que “no local apenas se encontram os nadadores salvadores das concessões” para reforçar o alerta aos banhistas.

Ler mais
Recomendadas

Governo disponibiliza 600 mil euros para apoiar agricultores de Mação, Vila de Rei e Sertã

Esta decisão decorre da publicação, hoje, em Diário da República, de um despacho que reconhece este incêndio como “catástrofe natural”.

Fundo Ambiental vai aplicar um milhão de euros na adaptação às alterações climáticas

Proteção ao litoral, na recuperação de solos e na reabilitação da rede hidrográfica são algumas das áreas em que o Fundo Ambiental poderá conceder apoio financeiro.

Parlamento recomenda ao Governo declaração do estado de urgência climática

Foi publicada nesta segunda-feira, 29 de julho, a resolução da Assembleia da República que recomenda ao Executivo de António Costa que assuma o compromisso de promover a máxima proteção de pessoas, economias, espécies e ecossistemas, e de restaurar condições de segurança e justiça climáticas.
Comentários