É tempo de “relação de amor e não mais de ódio” com Portugal, diz editorial do Jornal de Angola

O Jornal de Angola escreve que Angola e Portugal “têm tudo” para “definitivamente” avançarem para “uma relação de amor e não mais de ódio”, a propósito da visita a Luanda do primeiro-ministro português, António Costa, prevista para setembro.

Em editorial, intitulado ‘As relações entre Angola e Portugal’, o jornal estatal angolano aborda as reuniões mantidas esta semana, em Lisboa, pelo ministro das Relações Exteriores angolano, Manuel Augusto, com o primeiro-ministro e o Presidente da República – que pretendem enquadrar a próxima visita do presidente angolano a Portugal e do primeiro-ministro português a Angola.

“Os povos angolano e português têm interesse em que as relações entre Portugal e Angola atinjam um nível que possa dinamizar a cooperação económica entre os dois países”, escreve o jornal, citado pela agência Lusa.

Ao mesmo tempo que recorda que “os portugueses têm empresas em Angola” e que os “angolanos têm capitais aplicados em Portugal”, o jornal sublinha que “é por isso do interesse dos empresários de ambos os países que haja boas relações políticas e diplomáticas entre Angola e Portugal”, para “impulsionar, por exemplo, as relações comerciais”.

“Angola e Portugal têm tudo para estabelecer exclusiva e definitivamente uma relação de amor e não mais de ódio. Angola e Portugal têm condições para se constituírem num bom exemplo de cooperação, na base do respeito mútuo”, lê-se no mesmo editorial.

O primeiro-ministro António Costa visita Angola a 17 e 18 de setembro, anunciou o ministro dos Negócios Estrangeiros (MNE), Augusto Santos Silva, onde manterá uma reunião com o presidente da República de Angola, João Lourenço.

A visita, segundo o ministro, terá “uma componente económica muito importante porque o relacionamento comercial e em termos de investimentos recíprocos de Portugal e de Angola é muito intenso”.

O desanuviamento das relações entre Angola e Portugal surge depois da transferência do processo Operação Fizz, em torno do ex-vice-presidente angolano, Manuel Vicente, sobre suspeitas de corrupção, como era pretensão do governo angolano. A primeira evidência desse desanuviamento foi o anúncio, na semana passada, da visita de João Lourenço a Portugal, a convite de Marcelo Rebelo de Sousa.

 

Ler mais
Recomendadas

Marcelo aprova aumentos de 700 euros para juízes, mas critica fosso salarial face aos polícias e militares

Marcelo Rebelo de Sousa destaca que os juízes, e membros de autoridades reguladoras e de supervisão a entidades públicas empresariais e empresas públicas, passando por outras entidades administrativas, já estão com salários mais elevados do que o primeiro-ministro. O Presidente exige que a desigualdade salarial seja “encarada na próxima legislatura”.

Incêndios florestais caíram 26% este ano face a 2018

“Estamos, até hoje, com 6.800 incêndios desde o início do ano, o que significa que temos um número de incêndios 36% inferior à média dos últimos dez anos. E uma área ardida 42% inferior à média dos últimos dez anos”, sublinhou Eduardo Cabrita.

Proteção Civil tem reservas de combustível para “mais de dois meses”

Apesar de garantir que existem reservas para mais de dois meses, Eduardo Cabrita sublinha que as prioridades têm de ser asseguradas quando se fala numa dificuldade de distribuição.
Comentários