Economia recupera mas poupança dos portugueses não passa dos 4%

Taxa de poupança deve ficar em torno de 4% até 2019, antecipa o Banco de Portugal.

O Banco de Portugal reviu ontem em forte alta as projeções de crescimento entre 2017 e 2019, com o investimento e as exportações a darem um renovado impulso à atividade económica no país, que deve crescer 2,5% este ano – o valor mais elevado desde o início do século.

Esta melhoria terá reflexos nos salários, no rendimento disponível e no consumo das famílias, mas os economistas do banco central antecipam que não haja alterações substanciais na taxa de poupança dos particulares, nos próximos anos.

“A evolução projetada para o consumo privado e para o rendimento disponível determinam uma relativa estabilização da taxa de poupança, em torno de 4 por cento”, indicia o Boletim Económico publicado ontem pelo BdP.

Em contrapartida, o endividamento dos particulares em percentagem do rendimento disponível “deverá continuar a reduzir-se”,  “o que constitui uma característica fundamental do processo de ajustamento da economia portuguesa”. Ou seja, as famílias parecem estar a utilizar a folga extra na carteira para pagar dívidas e para pagar algum consumo adicionar, em vez utilizarem esse rendimento para acumular poupança.

“O esforço de redução do elevado nível de endividamento do setor privado deverá prosseguir – agora num quadro mais favorável em termos de evolução do rendimento disponível e do PIB em termos nominais – reduzindo a vulnerabilidade da economia portuguesa a choques adversos”, indica o relatório.

Os economistas do banco central antecipam que o consumo privado cresça 2,3% este ano, ainda à boleia e que suba para 1,7%´nos dois anos  seguintes. Esta melhoria reflectea evolução do rendimento disponível real das famílias, num quadro melhorias no emprego e de aumentos de alguma subida dos salários reais. “A evolução projetada para o consumo privado implica que em 2019 o nível do consumo deverá estar ligeiramente acima do observado antes da crise financeira internacional”.

Ler mais
Relacionadas

Banco de Portugal antecipa o maior crescimento desde o início do século

Boletim Económico divulgado hoje prevê que o PIB cresça 2,5% este ano, à boleia do investimento e das exportações. Banco central considera que há “recuperação sustentada”.

Poupança e investimento (parte 1)

É importante perceber que a distinção entre consumo e investimento reside exclusivamente no tipo de bem em questão e quem o adquire, sendo o modo como é financiada essa despesa totalmente irrelevante.

Banco de Portugal diz que particulares estão a poupar menos

Banco de Portugal diz que os particulares estão a poupar menos, numa tendência que poderá explicar-se com uma menor tendência para poupar por precaução. Em contrapartida, a dívida financeira dos particulares continua a diminuir.
Recomendadas

Como a Indústria 4.0 pode ajudar a criar a fábrica do futuro

A fábrica do futuro é o centro de uma cadeia de distribuição que combina clientes, fornecedores, distribuidores e parceiros com sistemas analíticos avançados. Isso pode levar a uma “produção perfeita” com o mínimo de tempo de inatividade, negligência, desperdício e ineficiência.

Sustentabilidade no investimento: menos risco, mais valor

Reduzir a quantidade de plásticos descartáveis ou viajar de comboio são duas formas de reduzir a nossa pegada ecológica. E no investimento, o que podemos fazer para reforçar a sustentabilidade?
Comentários