EFAPEL cresceu 18% no ano passado e quer manter ritmo este ano

A empresa, com sede em Serpins, no concelho da Lousã, faturou 35,5 milhões de euros no ano passado e prevê 21 milhões para o primeiro semestre deste ano.

A faturação da EFAPEL, maior fabricante portuguesa de aparelhagem eléctrica de baixa tensão, cresceu 18% no ano passado, face a 2016, para 35,5 milhões de euros, informou a empresa, em comunicado.

A empresa, com sede em Serpins, no concelho da Lousã, tem como objetivo manter o mesmo ritmo de crescimento no primeiro semestre deste ano, prevendo uma faturação de 21 milhões de euros.

 

Cerca de 30% da produção da produção destina-se ao mercado externo, com a EFAPEL a exportar para 50 países de Europa, África, Médio Oriente e América Latina.

No comunicado, a empresa explica “o regular crescimento verificado e previsto, com a melhoria da imagem da marca e o aumento do mercado”.

Para este ano, a EFAPEL prevê concluir o novo módulo da fábrica de Serpins em julho, estando a entrada em funcionamento prevista para setembro, procurando com esta infraestrutura “responder ao aumento da procura dos seus produtos”.

Em termos de produtos, a empresa regista a ampliação da série de calhas técnicas e a edição de novas cores na Série Quadro 45, desenhadas pelo arquitecto Siza Vieira.

Ler mais
Relacionadas

Governo aprova 160 milhões em investimento

O Conselho de Ministros aprovou esta quinta-feira um total de 160 milhões de euros em 12 contratos fiscais de investimento. Os projetos agora aprovados deverão criar 358 postos de trabalho diretos até 2023.

Exportações impulsionam resultados da Efapel

O mercado europeu foi responsável pela maior fatia das vendas de aparelhagem elétrica de baixa tensão para o exterior.
Recomendadas

Como a Indústria 4.0 pode ajudar a criar a fábrica do futuro

A fábrica do futuro é o centro de uma cadeia de distribuição que combina clientes, fornecedores, distribuidores e parceiros com sistemas analíticos avançados. Isso pode levar a uma “produção perfeita” com o mínimo de tempo de inatividade, negligência, desperdício e ineficiência.

Sustentabilidade no investimento: menos risco, mais valor

Reduzir a quantidade de plásticos descartáveis ou viajar de comboio são duas formas de reduzir a nossa pegada ecológica. E no investimento, o que podemos fazer para reforçar a sustentabilidade?
Comentários