Eleições no Grande Oriente Lusitano vão ter segunda volta

Fernando Lima e José Adelino Maltez vão disputar uma segunda volta, porque nenhum conseguiu ter mais de 50% dos votos. Daniel Madeira de Castro, o menos votado, ficou arredado da corrida.

O atual grão-mestre do Grande Oriente Lusitano (GOL), Fernando Lima, vai disputar a segunda volta das eleições nesta obediência maçónica com o professor universitário José Adelino Maltez, a 24 de junho.

Nenhum dos três candidatos conseguiu obter mais de 50% dos votos na primeira volta das eleições, que decorreram este fim de semana. O grão-mestre é escolhido por um universo de cerca de mestres maçons e exerce o cargo por um mandato de três anos.

A Lusa noticia, citando fonte do GOL, que Fernando Lima obteve 37% dos votos, José Adelino Maltez o 33% e Daniel Madeira de Castro 30%, quando falta contabilizar os resultados de apenas duas lojas.

Lima e Adelino Maltez são membros da mesma loja maçónica, a Universalis. Fernando Lima é o atual grão-mestre do GOL e recandidata-se a um terceiro mandato. Foi presidente do conselho de administração da Galilei (que resultou da sociedade que era dona do BPN) e é sócio do escritório de advogados Lima, Serra, Fernandes & Associados, que foi alvo de buscas no âmbito da Operação Marquês, que tem no seu centro o ex-primeiro-ministro José Sócrates, indiciado por corrupção.

A Loja Universalis é percebida como das mais poderosas, onde pontificam, além do atual grão-mestre, irmãos como o ex-ministro Miguel Relvas; José Conde Rodrigues, que foi secretário de Estado do PS; José Almeida Ribeiro, que pertenceu aos serviços de informações e foi secretário de Estado adjunto de José Sócrates; o responsável pela empresa de sondagens Aximage Jorge de Sá, entre outros.

Lima, que integrou o órgão executivo do GOL durante seis anos, até ser eleito grão-mestre pela primeira vez, propõe como adjuntos António Ventura, professor de História na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e autor do livro “Chefes de Governo Maçons – Portugal (1835-2016)”, e Carlos Amaral Vasconcelos, advogado de Guimarães.

Vasconcelos é, também, presidente do Grande Tribunal Maçónico, pelo que foi obrigado a solicitar, por carta, ao seu vice neste órgão que o substituísse em todos os actos relacionados com as eleições.

O professor de ciência política do Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade Técnica de Lisboa José Adelino Maltez tem como adjuntos Luís Vaz, historiador, e Manuel Matos, capitão de Abril.

O terceiro candidato era Daniel Madeira de Castro, economista, da Loja Acácia.

Ler mais
Relacionadas

Maçonaria: Eleições quentes no Grande Oriente Lusitano

Maçons vão escolher se querem a continuidade ou a mudar de líder. São três candidatos, mas pode haver movimentos de última hora.

Summavielle: “Ser maçon até prejudica a carreira profissional”

Elísio Summavielle, 60 anos, funcionário público. É assim que o presidente do Centro Cultural de Belém gosta de se autorretratar. Na próxima semana, dia 23, o CCB vai comemorar o 24º aniversário. Summavielle, que se considera um técnico “entusiasmado”, deseja criar as condições para a construção de um hotel. Foi secretário de Estado no Governo Sócrates, é maçon, republicano “dos quatro costados” e assume o gosto pelas touradas: “Não vou ver corridas a Espanha às escondidas”.

Inválidos do Comércio elegem novo presidente

João Bernardino derrotou o presidente da direção que agora cessa funções, que se recandidatava a mais um mandato.
Recomendadas

Vistos gold: Investimento captado mais do que triplicou em julho para 98,2 milhões de euros

O investimento captado através dos vistos ‘gold’ mais do que triplicou (aumentou 276%) em julho, face ao período homólogo de 2018, para 98,2 milhões de euros, segundo contas feitas pela Lusa com base nos dados estatísticos do SEF.

Número de viciados em jogo online aumentou mais de 8% em Portugal

No espaço de seis meses, 38.600 pessoas pediram para ser impedidas de jogar online, mais 3.200 pessoas face a 2018, uma subida de 8,3%.

Avião de carga aterrou de emergência no aeroporto do Porto  

Um avião de carga com dois tripulantes fez hoje uma “aterragem de emergência” em segurança no aeroporto do Porto devido a um “problema no motor”, disse à Lusa fonte da Proteção Civil.
Comentários